Menu
Inicio Treino Dia Mundial do Animal: por que deve treinar com o seu

Dia Mundial do Animal: por que deve treinar com o seu

Além de melhor amigo, o seu cão pode ser o seu companheiro de treino. Neste artigo mostramos-lhe como dar trela ao seu cão e ao seu plano de treino, num só passeio

Já tentou saltar à corda ao lado do seu cão? E estender um tapete de yoga? “Cães a interromper os exercícios” é não só um dos tópicos mais divertidos para pesquisar no Youtube. Talvez o seu amigo de quatro patas esteja a tentar passar-lhe uma mensagem subliminar. Traduzindo de ão-ão para português: “Hey, também quero treinar contigo!”. Você já sabe que ele lhe faz bem à mente, por isso que tal passar a sua relação ao passo seguinte? De acordo com um estudo da GFK num total de 6,7 milhões de animais de estimação no nosso país, 38% são cães. E há muito mais para fazer com o seu patudo do que apenas atirar-lhe a bola.

A Women’s Health falou com quem mais entende sobre este assunto e diz-lhe o que saber.

Cuidados e perigos

O exercício regular favorece o fortalecimento dos ossos, estimula o sistema cardiovascular e tonifica os músculos. Mas a atividade física em excesso pode acentuar pequenos problemas estruturais, especialmente na fase de desenvolvimento muscular e osteoarticular do cachorro. “Há uma coisa muito importante a realçar e que interfere com o processo de socialização de um cão: nunca deve ir buscar um cão a uma ninhada antes das 8 semanas”, realça Nuno Coelho, fundador do centro de instrução canino de Benfica. E qual a quantidade correta de exercício? O senso comum parece ser o melhor indicador. Na hora de sair de casa tenha especial atenção à meteorologia (tempo húmido ou muito quente não são aconselhados). Atente também às queimaduras solares (em especial para os cães de pelo claro), à torção gástrica (evite que o seu cão coma ou beba em demasia antes ou depois do exercício, mas leve sempre água consigo!) e ao piso demasiado quente. “Às vezes as pessoas esquecem-se de que os cães não têm sapatos!”, frisa o treinador

Devagar se vai ao longe

Antes de iniciar qualquer exercício devemos sempre fazer uma visita ao veterinário para que este possa fazer alguns exames preventivos, para saber se o seu cão está apto para esse tipo de exercício (nós também devemos procurar saber junto do médico se também estamos aptos para os mesmos)”, advertem Paulo Leite, treinador especialista de cães, e João Moreira, professor de Educação Física, ambos do Grupo Operacional de Busca de Salvamento da Póvoa do Varzim, que inclui atividades para cães como o irondog (transpor obstáculos) e dogtrail (fazer trail com o cão).

“Também devemos procurar informação e aconselhamento junto de profi ssionais experientes no desporto/ treino com cães”, acrescentam. As necessidades do exercício variam conforme a raça e o local onde o cão passa a maior parte do tempo, claro. “À partida um bulldog inglês não conseguirá correr 5 km, embora haja vídeos no Youtube que mostram um cão desta raça a andar de skate”, conta Nuno Coelho, fundador do centro de instrução canina de Benfica.

Dentro de água

Campeonato Nacional de Surf para Cães, já ouviu falar? Que os cães gostam de água não é novidade, mas que conseguiam apanhar ondas já é outra história. Calma: não há nenhum Vasco Ribeiro no mundo canino, mas há cães que gostam mais de água e pranchas de surf do que outros. Para os segundos, os que não mergulham de cabeça, poderão ser necessárias algumas aulas de natação caseira: “Numa primeira fase pode habituar-se o cão na banheira, depois passar para um sítio sem ondulação, depois para praias com poucas ondas e por aí fora.

Sempre com a ajuda de brinquedos ou uma motivação extra”, explica Nuno Coelho. “O mais importante é ter a ajuda de profissionais competentes que o ajudem no processo de socialização do seu cão”, alerta Nuno. Entre os seus muitos serviços, o CIC Benfica, em Lisboa, tem aulas de obediência, modalidade agility, terapia comportamental e pet sitting. Resumidamente, a sua praia e a do seu cão!

Divirta-se

Sempre que fizermos exercícios devemos ter em atenção a linguagem corporal do cão. Atende se se mostra cansado ou com problemas de locomoção, por exemplo”, dizem os especialistas do GOBS. “Os cães devem sempre ser treinados através de estímulos positivos. Nunca através do uso da força ou de gritos”, explica Nuno Coelho.

Algumas dicas para tornar os conturbados passeios iniciais mais fáceis? “Mudar de direção várias vezes, o mais rápido possível, vai obrigar o cão a estar focado”, diz o treinador.

“Ao fim de 3 ou 4 viragens deve parar e recompensar o cão de forma imediata. Os treinos devem ser sempre curtos e feitos com alegria, enquanto o animal está estimulado”. A maior recompensa vem no final. Um (ou mais) biscoitos para ele, uma boa noite de sono para si e, quiçá, umas pernas mais tonificadas.

As bases já tem! Confira na galeria de imagens se tem os (poucos) acessórios que necessita para se iniciar nesta aventura e divirta-se com o seu patudo.


Leia também

Passear o cão ajuda a emagrecer (sem dar por isso)

Brand Story