A diferença entre treinar com ou sem música

música, treino, exercício

Atenção fit girls: Uma boa playlist pode fazer toda a diferença num treino e há agora um estudo que prova isso mesmo.

Felizes, tristes, irritadas, poderosas e motivadas são algumas das ‘consequências’ de determinadas canções, diz a Universidade de Brunel, no Reino Unido.

É certo e sabido que a música interfere com o nosso estado de espírito, mas sabe-se agora que isso pode ser uma mais-valia para o treino.

 

O poder da música no cérebro

Há quem prefira treinar no mais intenso silêncio e há quem seja incapaz de sair de casa sem um fones.

É tudo uma questão de gostos – e personalidade -, mas a verdade é que a música pode ser o segredo para um treino mais agradável.

Na existência de estudos sobre o impacto da música na performance, os investigadores britânicos quiseram ir mais além e avaliar o estado de espírito à boleia do que se ouve.

Para tal, desafiaram um grupo de 24 participantes a correr 400 metros ao som de canções, palestras ou puro silêncio. Durante o exercício, a atividade cerebral era monitorizada através da técnica de eletroencefalograma.

E os resultados não poderiam ser mais animadores. A música interfere positivamente com as ondas beta do cérebro quando o corpo está ativo.

Exercitar quando se ouve música aumenta as respostas positivas e os pensamentos mais fluidos – sim, daí a velha frase de ‘correr para limpar a mente’.

Mas não só: Aumenta também a sensação de prazer e de controlo.

Publicado na revista Psychology of Sport and Exercise, o estudo diz que a sonoridade das canções reorganiza a frequência elétrica do cérebro. Sim, dá mais ênfase à sensação de bem-estar e prazer e menos à concentração.

Se ainda não treinou hoje, então aproveite para atualizar a sua playlist e tirar o máximo proveito da atividade física.

 

Mais WH: Eis as músicas mais populares para treinar

Ads

ARTIGOS RELACIONADOS


OUTROS CONTEÚDOS GMG


Send this to friend