4 semanas, 4 desportos

A jornalista Rita Machado treinou quatro semanas intensamente para construir o plano de treino que encontra nesta edição de verão 2018. Escolheu 4 desportos: CrossFit, muay thai/kickboxing, ginásio e corrida.

O objetivo era perder gordura recuperar a forma após uma lesão, e construir uma combinação de exercícios destas modalidades que as leitoras Women’s Health pudessem reproduzir em casa.

Eis o semanário (relato semana a semana) do desafio.

 

SEMANA 1

Desafio: CroosFit

Local: Box de CrossFit Off Limits [http://offlimitscrossfit.com]

“Quando me ligaste e me disseste que querias fazer este artigo comigo e que tínhamos uma semana, pensei: estas a pôr-te nas minhas mãos uma semana? Vais sofrer”, disse-me Pedro Pereira. E o primeiro treino conferiu estas palavras.

Primeiro dia: 45 minutos de treino intenso, dividido em três secções, no qual ao fim de dois minutos estava literalmente pingar – também não ajudou termos passado diretamente do inverno para o verão neste mês de abril em que escrevo isto na cidade de Lisboa.

Assault bike (uma bicicleta do diabo, que usa uma manivelas tipo ski), de seguida Sled Push (empurrar uma estrutura de ferro) com os quilos sempre a subir, agachamentos com peso de 12 quilos e muitos burpees (ideais para perder gordura). ‘Se aguentei este dia, aguento os outros’, penso.

O segundo dia da semana de CrossFit é um verdadeiro desafio – mas mental. Acordo às 5 horas da manhã para ir para o Funchal, Madeira. Vou lá passar uns dias e decorrem no final da semana os Madeira Cross Games.

A minha ideia era treinar na Naval Box esta semana com todos os atletas de elite que estão presentes para os jogos, o Coach Pedro Pereira também lá vai estar e vai-me acompanhar in loco, nada mais inspirador certo? Mas os ventos têm outros planos para mim.

O meu voo das 7h30 segue até ao Funchal mas não aterra e voltamos para Lisboa. Horas numa fila da TAP para resolver o assunto, novo voo para as 16h05. Voo cancelado. Tento ir no das 17h30, mas não arranjo vaga. Nova remarcação para as 23h… Lá se vão os meus planos de treinar hoje já na ilha que tanto gosto. Dado que são 19h decido ir à The Bakery Crossfit, onde normalmente treino, fazer o meu treino do dia que entretanto já estava no meu telemóvel enviado pelo Pedro.

A vontade é nenhuma, e o cansaço acumula-se, mas consigo fazer praticamente o treino todo. O CrossFit tem destas coisas, basta comentarmos com os colegas que estamos a tentar ultrapassar um desafio e toda a gente nos apoia, pelo que me senti muito motivada a apanhar um táxi, ir treinar e voltar para o aeroporto, mesmo estando lá há mais de 12 horas. Duche tomado e re-energizada – sim treinar quando estamos muito cansados pode dar-nos e dá-me a maior parte das vezes mais energia – regresso ao aeroporto.

Encurtando a história, não embarco e cancelo a minha viagem à Madeira. Terei de treinar por mim própria sem o apoio do coach (assim se chamam os treinadores no CrossFit), mas isso não me tira a pica, pelo contrário. Penso: se num dia como hoje consegui motivação para ir treinar, o resto da semana é ‘peanuts’, como dizem os americanos. Mando uma mensagem ao Pedro, a dizer o treino que cumpri, entre ir e voltar do aeroporto e ele diz-me: “Orgulho”. Agora tenho mesmo de me aplicar…

No terceiro dia era ou sim ou sopas. Peso e peso. O que eu mais odeio (exercícios com barra e peso) para este dia em que ainda estou meia abananada de ter passado 16 horas no aeroporto e não ter ido a lado nenhum. Mas faço tudinho, assim como as séries finais: 300 lunges (150 cada perna) e 75 flexões, ao que se seguem uns super abdominais.

Os dias 4 e 5 são mais fáceis, não que o treino o seja, mas porque outro amigo também não conseguiu embarcar para a Madeira e assim treinamos juntos. Ele faz os wods (workout of the day) assim se chamam os treinos na box de CrossFit e eu faço o meu treino, que, começo a perceber, está sempre dividido em warm up (aquecimento), algo de peso e um wod com cardio para queimar gordura. Dado que o Pedro Pereira está na Madeira, aviso que preciso de apoio, e os coach e restantes alunos da Off Limits esclarecem o que não sei fazer bem, assim como estão sempre atentos à minha correta postura a executar os exercícios.

Visto calções curtos, porque no Crossfit não temos de ter problemas com a nossa imagem corporal nem esconder gordurinhas. O que interessa é a eficiência e esta está cada vez mais presente em mim – de verdade que me sinto a ficar forte de dia para dia, talvez não esteja a emagrecer, mas sinto-me uma ‘máquina’ – ajuda muito comer bem, a alimentação é uma grande parte desde desporto.

Tenho mantido o plano alimentar que o meu nutricionista Sérgio Veloso me fez, ajustado uma intensidade de treino grande. O dia 5 termina com um ‘treininho’ a puxar pelo cardio, de remo e burpees, a alternância entre os dois movimentos deixa-me quase a desfalecer, ainda bem que bebi um valente batido com banana e proteína antes para aguentar isto tudo.

Último dia, o 6º, e o treino não podia ser pior. O warm up, que é como quem diz aquecimento, demora-me mais de 40 minutos – nos quais fiz 110 agachamentos e 110 abdominais… vezes quatro! Penso que talvez o coach Pedro Pereira se tenha enganado e mando uma mensagem, ao que ele responde implacável: “Última sessão é suposto ser longaaaaa”. Aguenta Machado, penso! E ao fim de hora e meia tenho tudo feito. ‘Consegui’, penso, e quase que encomendo uma pizza! Mas mantenho-me firme e como antes um caril de tofu e vegetais (sem arroz), logo tenho um casamento e já vou sair do plano.

Ao sétimo dia descanso e escrevo a experiência. Como resultados notei claramente menos celulite nas pernas (viva a barra, o agachamento, o peso, o lunge – nunca pensei dizer isto) e os abdominais mais secos.

Sinto-me forte e as dores musculares nem custaram assim tanto a suportar – tirando o quarto dia que acordei várias vezes à noite quando me virava na cama e me deitava sobre os glúteos.

Amanhã às 6h30 saio de casa para começar a segunda semana de treino, de Kickboxing e Muay Thai. Começará com 5 quilómetros de corrida + treino de uma hora e meia e à tarde outro treino – bi-diários portanto. Vamos embora.

 

O que aprendi esta semana de CrossFit

  • Um dia de cada vez, uma rep (repetição) de cada vez. Quando estamos numa aula e o coach nos vai dando os exercícios, nem nos apercebemos de tudo o que temos para fazer, mas olhar para o treino que recebi no telemóvel foi por vezes assustador. Como fazer isto tudo? Tentei pensar que tinha de fazer uma coisa de cada vez e… FIZ!
  • A barra e o peso não são inimigos.
  • A inter-ajuda é fundamental. Muitas vezes tive de pedir ajuda a colegas na box, para verem se estava a executar bem o movimento e ver a carga ajustada.

 

O Coach

Pedro Pereira

É licenciado em Educação Física e Desporto (2010), Mestre em Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário (2012) e Pós Graduado em Fisiologia do Exercício Físico (2013), é formador de CrossFit em Portugal e CrossFit HQ Seminar Staff, ou seja, trabalha diretamente para a CrossFit internacional enquanto formador de futuros treinadores da modalidade.

É co-proprietário da box de CrossFit Off Limits, no Rato, em Lisboa, e mentor da Project Performance, que treina atletas da modalidade para competições.

Ads

ARTIGOS RELACIONADOS


OUTROS CONTEÚDOS GMG


Send this to friend