Menu
Inicio Saúde O treino que melhora a saúde sexual das mulheres

O treino que melhora a saúde sexual das mulheres

Tanto a saúde do casal como a pessoal beneficiam de uma saúde sexual ‘em forma’. E se há modalidades que lhe dão pontos nesta área… porque não?

Este é o treino que melhora a saúde sexual das mulheres

Que o treino tem não só benefícios físico como mentais, já todos o sabem. Mas há certas especificações que vale a pena referir, nomeadamente esta: correr melhora a sua saúde sexual!

Excitação genital não é o único benefício com que irá contar se passar a praticar exercício físico de forma frequente. Assim garante um estudo prático avançado pelo Laboratório de Psicofisiologia Sexual em Austin, Texas.

Amelia Stanton, principal autor do referido estudo, aponta também como vantagens consequentes a melhoria nas funções cardiovasculares. A autora refere também o próprio humor e imagem corporal do atleta.

O caso prático

Para a análise direta, um grupo de mulheres pedalou por 20 minutos. Após o exercício, foram convidadas a assistir a um filme erótico, momento em que se notou um aumento no fluxo sanguíneo vaginal, que promove a excitação. A mesma experiência foi repetida com exercícios de baixa bem como de alta intensidade, mas foi nos exercícios de nível moderado que se notou uma maior excitação.

Como justificação para este aspeto, aponta-se o facto de exercícios maios intensos obrigarem a um maior fluxo sanguíneo. Assim, este “pode passar dos órgãos genitais para os músculos’ como forma de ajudar à recuperação daquele exercício.

Dito isto, uma aula de cycling ou uma corrida são bons aliados de momentos íntimos mais intensos e interessantes. Apesar de se apontar ser preferível os treinos de intensidade moderada, falta informação que permita perceber se cardio é ou não melhor do que treinos de força, por exemplo.

Os treinos não valem por si só

A investigação não esqueceu a importância do lado psicológico e reconhece que “as mulheres que se sentem bem consigo mesmas, com o seu corpo, estão menos distraídas ou mentalmente ausentes durante a atividade sexual”, aponta Stanton.

Artigo via Runner’s World

Brand Story