Menu
Inicio Saúde Os principais sinais de alerta de falta de ferro

Os principais sinais de alerta de falta de ferro

Mulheres que treinam podem sofrer de um maior risco de deficiência de ferro? A questão é lançada no mundo do fit. A resposta foi dada por vários pontos.

Os principais sinais de alerta de falta de ferro

Se tem por hábito sentir uma súbita falta de energia e foco, talvez deva ponderar a questão que deu origem a este artigo.

Esta introdução destina-se principalmente às mulheres que treinam. Sim, porque não é por manter uma boa rotina de exercício físico, comer bem e dormir as devidas horas que está livre de certos perigos que possam por em causa a sua saúde.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, falta de ferro está entre os problemas mais comuns a nível nutricional. Estima-se que afete entre 12 e 15% da população mundial entre os 15 e os 50 anos. Desta percentagem, as causas mais comummente apontadas são uma dieta desequilibrada ou corrimento menstrual excessivo. A par disso, também o exercício físico pode ter uma ponta de culpa, um aspeto sobre o qual a grande maioria das mulheres não está ciente, segundo apontou um estudo de 2016 mencionado pela Women’s Health dos Estados Unidos. O facto de ser um problema com efeitos graduais, que se possam dever a outras causas é o motivo por que as mulheres raramente o associam aos treinos.

Na verdade, é um ciclo vicioso: uma mulher que por algum motivo esteja mais propensa a sofrer de défice de ferro pode sentir o seu treino prejudicado. Manter o mesmo exercício físico sem alterar nada na rotina, traz no entanto várias consequências a nível da saúde.

O que diz a ciência

Comecemos por perceber a que se parece a falta de ferro. O ferro é um mineral vital à energia celular, ao sistema imunitário e à produção de hemoglobinas, responsáveis por levar oxigénio a todo o corpo. Ora, quem tem deficiência deste mineral, sofre pela incapacidade de transporte de oxigénio, o que dificulta a performance em qualquer tipo de treino.

Além disso, a carência de ferro deixa-a mais propícia a infeções, já que o sistema imunitário é posto em causa, e mais fraca no geral, o que aumenta o risco de lesão durante o treino. Manter a prática de treino sem fazer por resolver esta questão só aumenta estes riscos, pois durante a transpiração irá perder este mesmo mineral, reduzindo as reservas que possa ter do mesmo.

A solução?

Aos olhos de Richards, investigador da University College London, um tratamento eficaz é aquela quem tem vindo a testar com a sua equipa de investigação, numa amostra de corredores. Consiste numa avaliação médica que contabiliza a perda de ferro de cada caso após a qual o mineral é reposto no organismo. Um processo que carece de repouso de vários antes de se voltar aos treinos. No entanto, este é um tratamento bastante restrito e que tem um custo insuportável pela maioria – cerca de 550€.

Mas esta não é de todo a única opção. Caso se confirme – após análises e diagnóstico médico – que sofre de falta de ferro, o melhor será procurar aconselhamento nutricional. Isto numa primeira fase, que confirme se está a seguir uma alimentação equilibrada neste sentido. Se estiver e mesmo assim os níveis de ferro não melhorarem, será também o especialista a prescrever o devido suplemento.

Percorra as imagens da galeria para confirmar os sintomas mais comuns a quem sofre deste mal. Este é pois o primeiro passo antes de procurar a confirmação médica.


Leia também:

Ferro sem carne. As opções vegetais e os truques diários

Artigo via Women’s Health

Brand Story