Menu
Inicio Saúde Afinal, quantas vezes o paladar pode mudar ao longo da vida?

Afinal, quantas vezes o paladar pode mudar ao longo da vida?

Já lhe aconteceu experimentar algum alimento em adulta que, em criança, detestava? E afinal agora gosta? Tudo se deve às mudanças no seu paladar.

A dada altura da sua vida lembra-se de discutir com sua mãe sobre comer vegetais, certo? Brócolos? Não, obrigado. Tomates? Não quis nem experimentar. Mas, vamos falar sobre hoje em dia, já que comer uma salada acabou por se tornar totalmente viável para seu almoço. Sim, talvez tenha passado por uma mudança de paladar.

Paladar?

Comecemos por partes. Já pensou no que são exatamente as suas papilas gustativas? Falamos-lhe das pequenas protuberâncias presentes na língua, que também ajudam a mastigar, falar e limpar a boca.

Ao contrário do que comummente se pensa, não estão apenas presentes na língua, sendo que por toda a boca se pode encontrar elementos que ajudam a definir os gostos. “Cada paladar é uma coleção de cerca de 50 a 100 células que têm a tarefa de testar a comida antes de ser engolida”, explica Robin Dando, médico e diretor do Cornell Sensory Evaluation Center (EUA).

Ao serem dissolvidos pela saliva, os alimentos ativam recetores nas pontas das células, o que pode ajudar a distinguir entre o doce, o salgado, o azedo e o amargo. Esses recetores vão, então, enviar um sinal ao cérebro para transmitir o sabor exato daquilo que está a experimentar.

Então, pode acontecer uma mudança de paladar?

As saliências que tem na língua morrem e regeneram-se a cada duas semanas, sendo que este processo pode ocorrer ainda mais rapidamente, caso a sua boca esteja vulnerável. Essencialmente, quando mastiga ou queima a língua mata mais papilas gustativas. Felizmente, elas crescem novamente e é por isso que tem menos sensibilidade aos sabores, depois de queimar a língua.

A idade também influencia a quantidade de vezes e a rapidez com que o seu paladar muda. “À medida que envelhece, o seu corpo fica mais lento e regeneração de células, incluindo o sabor e o cheiro também demoram mais, levando à potencial perda de papilas gustativas com o passar dos anos”, diz Helene Hopfer, médica e professora assistente de ciência alimentar na Universidade Estadual da Pennsylvania (EUA).

Quando isso acontece exatamente? Nada é definitivo, mas algumas pesquisas dizem que uma mudança ou perda de paladar pode começar a acontecer por volta dos 60 anos de idade.

“As papilas gustativas também podem morrer devido a circunstâncias externas, como tomar certos medicamentos ou passar por tratamentos de quimioterapia ou radiação”, diz Dando. Contudo, é provável que voltem a crescer depois de concluir os tratamentos.

Por que é que os gostos mudam ao longo dos anos?

Essa alteração está relacionada com mais fatores do que apenas o seu paladar. O olfato, por exemplo, também influencia o sabor, ajudando a determinar “uma construção multissensorial que o nosso cérebro” compõe “de múltiplas sensações, nomeadamente gosto, cheiro e som”, como explica Hopfer.

“Apesar de todas as pessoas terem níveis de sensibilidade semelhantes aos vários gostos básicos, cada pessoa desenvolve preferências pessoais ao longo de muitos anos, que dependem de outros fatores como hábitos, educação, cultura, memórias e contexto”, diz Dando. É possível que, em criança, odiasse salmão, por exemplo, porque teve um problema do estômago depois de comer esse peixe. Por isso, agora, sempre que pensa no salmão associa-o a sintomas como náuseas.

Mas, isso não significa que vá odiar certos alimentos para sempre. É possível treinar o seu cérebro de modo a começar a gostar de certos sabores. Basta que coma esses alimentos com mais frequência.

Assim, tal como é possível adaptar-se a novos sabores e até começar a gostar de alimentos que, até então, detestava, o inverno também é possível. O açúcar, por exemplo: “Recentemente tentei cortar os refrigerante da minha dieta e, depois de um curto período de tempo, não conseguia sequer beber um gole”, explica Robin Dando.

Apesar de os motivos pelos quais os gostos mudam ainda não serem certos, tudo pode estar relacionado com a forma como os alimentos são confecionados. Se experimentar comer tomate com um tempero diferente, é possível que até goste do sabor. A verdade é que, tal como a vida não é estática e há constantes alterações a acontecer, o mesmo se verifica com os seus gostos e preferências.

+WH Veja nas imagens a cima alguns alimentos que podem estar a prejudicar a sua pele neste inverno.

Artigo via Women’s Health

Brand Story