Menu
Inicio Beleza Quando lutar contra a celulite em casa não é suficiente

Quando lutar contra a celulite em casa não é suficiente

Quando lutar contra a celulite em casa não é suficiente

A combinação de alimentação, exercício e creme não é suficiente? Não desespere. Existem já muitos tratamentos em clínica que, “além de seguros, não são invasivos”. O dermatologista Luís Uva explica tudo tintim por tintim.

Para corrigir a gordura localizada

 

  • Ultrassom microfocado

“O sistema aplica um feixe de ultrassom na área do corpo a ser tratada e penetra no tecido adiposo, através de um transdutor localizado na pele. O seu efeito térmico quebra a estrutura interna do tecido adiposo e decompõe-no em partículas menores, sem danificar a epiderme, a derme ou os tecidos adjacentes. O excesso de gordura é reabsorvido graças à ação dos macrófagos (células do sistema imunitário) responsáveis ​​pela eliminação”.

 

  • Laser de díodo

Destinado “para tratamentos não invasivos de lipólise, permitindo eliminar a gordura localizada e persistente nos flancos, abdominal, costas e face interna e externa das coxas”, as partes mais afetadas pela celulite. Na prática, “o laser aumenta a temperatura do tecido adiposo entre 42°C e 47°C sem danificar os tecidos circundantes”.

 

  • Criolipólise

“Reduz a gordura através da aplicação controlada de frio. É uma técnica não invasiva e não danifica os tecidos adjacentes. A redução de gordura subcutânea ocorre gradualmente ao longo de vários meses após o tratamento. Isso acontece porque quando as células são expostas ao frio, ocorre a morte natural e são gradualmente eliminadas pelo processo metabólico normal do corpo. “No processo de recuperação considero fundamental a drenagem linfática adjacente”.

Para corrigir a celulite e a casca de laranja

 

  • Ultracavitação

“Um rolo gera microbolhas a vácuo de maneira controlada, produzindo a chamada cavitação, que são ondas ultrassónicas moduladas em múltiplas frequências. As referidas microbolhas têm um efeito de sucção destruindo a célula adiposa. Ou seja, as ondas geradas pelo rolo atingem as células adiposas, destruindo a sua membrana e liberando a gordura”.

 

  • Radiofrequência

“É realizada por meio de dispositivos que emitem ondas de radiofrequência controladas para penetração superficial ou profunda da pele. Causam estiramento dos tecidos adjacentes, levando à remodelação do colagénio e neocolagenose, ou seja, produção de novo colagénio. Também favorece o retorno venoso na área tratada e a decomposição de gordura e a sua eliminação pelo sistema linfático”.

Brand Story