Menu
Inicio Saúde Quando a dor articular nos tenta vencer: artrite reumatoide

Quando a dor articular nos tenta vencer: artrite reumatoide

Como é que impactaria nas nossas vidas? Como se conseguiria cuidar dos filhos, do emprego ou da casa?

dor

A artrite reumatoide (AR) é uma doença que afecta cerca de 65.000 pessoas em Portugal, sendo a maioria mulheres em idade activa. É uma das mais 200 doenças reumáticas partilhando todas elas características comuns como a dor e a limitação funcional.

Imaginemos uma dor numa articulação que eventualmente todos sentimos por um traumatismo ou um esforço agora imaginemos essa dor em muitas articulações de forma constante embora com oscilações e que envolve preferencialmente as mãos e os pés. É assim que muitas das doentes se sentem diariamente.

As dores na AR são mais de noite e de manhã e melhoram ao longo dia com alterações no sono por despertares nocturnos pela dor. Associa-se uma rigidez ou uma sensação de articulações perras ou presas que dura muito mais que o normal que pode ocorrer de cerca de 20 minutos mas que neste caso se pode prolongar por mais de 1 a 2 horas. Para além da dor e da rigidez o inchaço e inflamação das articulações (artrite) aumentam as queixas e limitam muito a capacidade física dos doentes quer para a marcha quer para actividades mais finas como o escrever ou o trabalhar ao computador e por maior ordem de grandeza com o carregar pesos ou fazer esforços.

Como é que impactaria nas nossas vidas? Como se conseguiria cuidar dos filhos, do emprego ou da casa?

Muitos dos doentes acordam mais cedo para poderem estar menos perros ao realizarem as suas actividades do dia-a-dia. A dor e a limitação e as alterações do padrão de sono acompanham-se com mais fadiga e maior cansaço o que acaba por influenciar ainda mais a capacidade destes doentes para a sua vida com maior depressão e maior isolamento.

Mas sendo esta uma doença claramente incapacitante e com grande impacto na vida dos doentes e das famílias é também uma doença cuja história a Reumatologia tem vindo a mudar.

Cada pessoa tem de ter a noção que a dor articular qualquer que ela seja deve ser vigiada, especialmente se aparecer sem causa aparente e se prolongue por dias ou semanas fará o primeiro passo para melhorar a sua saúde músculo-esquelética e prevenir ou identificar precocemente doenças potencialmente incapacitantes. Se para além disso soubermos que dores e edemas articulares que sejam mais do final da noite e na manhã são ainda mais importantes, mais ainda se houver uma rigidez matinal estamos a contribuir para identificar doenças importantes. A dor nas articulações e músculos é um sinal que se não passar ou se piorar deve obrigar a ir ter com o médico de família ou se possível com um Reumatologista.

Hoje em dia no caso da artrite reumatoide temos os meios quer diagnósticos quer terapêuticos para conseguir que um doente com uma artrite reumatoide tenha uma vida o mais próximo possível do normal. Embora seja uma doença crónica o Reumatologista vai fazer um plano terapêutico adaptado que implica dieta, parar o tabaco, exercício por vezes planos de Medicina Física e de Reabilitação e um plano terapêutico com medicação para o controle da doença. Tal como em muitas doenças reumáticas temos um plano em escalada ou seja se conseguirmos controlar a doença com fármacos mais simples e menos complexos será melhor mas devemos subir a escada rapidamente se o doente não responder aos medicamentos iniciais propostos.

Para além do metotrexato e da lefunomida considerados fármacos modificadores da doença sintéticos temos outros mais complexos como os fármacos biotecnológicos e os inibidores da JAK Kinase. E é neste contexto de um diagnóstico o mais precoce possível, o seguimento atempado por especialistas em Reumatologia e o uso criterioso mas eficaz dos fármacos é que de uma doença incapacitante que poderia levar a cadeira de rodas temos neste momento na maior parte dos casos uma doença controlada e com uma qualidade de vida muito próxima do normal. Ao doente cabe saber ouvir o que o seu corpo e as suas articulações lhe dizem, na procura rápida de ajuda de uma reumatologista e com ele em conjunto fazer um plano que seja para cumprir e para ter como objectivo a quase normalidade.

A dor e a Artrite Reumatoide não poderão ser no século XXI causas de sofrimento e de incapacidade grave até porque bem orientada esta doença tornou-se numa doença complexa mas claramente derrotada pela dupla do doente e do seu Reumatologista.


Artigo escrito por Dr. Luis Cunha Miranda, reumatologista

Brand Story