Menu
Inicio Gravidez Sabe quantos filhos são precisos ter para evitar o Alzheimer?

Sabe quantos filhos são precisos ter para evitar o Alzheimer?

alzheimer

O alzheimer é uma doença dentro do grupo das demências, que, apesar de afetar maioritariamente idosos, não significa parte do processo de envelhecimento, segundo explica a Organização Mundial da Saúde (OMS). Esta é uma condição que evolui progressivamente e que começa por pequenos esquecimentos, perdas de memória e de capacidades cognitivas.

A nível mundial, a OMS estima que haja cerca de 50 milhões de pessoas com demência e cerca de 10 milhões de novos casos aparecem todos os anos. Dentro das demências, o alzheimer representa cerca de 60% a 70% dos casos.

Em Portugal, a Direção Geral de Saúde (DGS) estima que haja cerca de 130.000 pessoas com alzheimer, num total de mais de 180.000 que sofrem de demência. Não havendo ainda um exame de diagnóstico, é detetado através da exclusão de outras doenças.

Ser mulher é um fator de risco

Na Alzheimer’s Association International Conference 2018 foi apresentado um estudo que comprara a história reprodutiva da mulher, à sua propensão para desenvolver demência. Os resultados sugerem que existe uma relação entre a demência, o número de filhos que cada mulher tem, o número de abortos espontâneos que sofre ao longo da vida e ainda a idade em que teve o primeiro ciclo menstrual e a idade em que entrou na menopausa.

São as mulheres quem sofre mais de alzheimer e dentro do conjunto de fatores para isto acontecer podemos identificar o facto de as mulheres terem uma esperança média de vida superior à dos homens. Dados do Pordata de 2016, sugerem que a esperança de média de vida das mulheres, em Portugal, se encontra nos 83 anos, ao passo que a dos homens se encontra nos 78 anos. O avançar da idade constitui, assim, um risco aumentado para o desenvolvimento de demências. No entanto, pesquisas sugerem que a propensão feminina para o desenvolvimento de doenças do foro cerebral é maior devido a fatores biológicos, genéticos e reprodutivos.

Este estudo contou com a participação de 14.595 mulheres, entre os 40 e os 55 anos, que, em média, tiveram pela primeira vez a menstruação aos 13 anos e entraram na menopausa aos 47. Os investigadores concluíram que mulheres com três ou mais filhos tinham menos 12% de probabilidade de ter alguma forma de demência, comparadas com mulheres com apenas um filho.

Quanto ao aborto, as mulheres que sofreram um aborto aumentam em 9% as hipóteses de demência, em comparação com mulheres que nunca sofreram nenhum.

Menstruação e menopausa

A idade em que surge a primeira menstruação é também um fator de risco para o desenvolvimento de doenças como o alzheimer. Segundo este estudo, quem foi menstruada apenas a partir dos 16 anos tem 31% maior probabilidade de desenvolver este tipo de problemas do que as meninas que, aos 13 anos já tinham menstruação. Por outro lado, quem entra na menopausa antes dos 45 anos tem cerca de 28% de maior propensão para ter demência. A juntar a estes dados é necessário ter em atenção que as idades dependem do local do mundo em que se encontra e da esperança média de vida do país onde vive.

No entanto, os investigadores concluem que quanto maior é o período reprodutivo da mulher, menores são as probabilidades de desenvolver demências.

Mais tempo está grávida, menores os riscos de alzheimer

Outro estudo dos departamentos de Antropologia, psiquiatria e ciências comportamentais da Universidade da Califórnia acrescenta ainda que quanto mais tempo na vida passa grávida, menores são as probabilidades de desenvolver demências.

Muito ainda há para estudar neste campo, mas estas novas pesquisas sugerem que a propensão feminina para as demências não se deve apenas às variações dos níveis de estrogéneo. Este estudo sugere, então, que a gravidez afeta os riscos de desenvolver alzheimer devido às alterações que acontecem ao nível do sistema imunológico durante esse período.


Leia Também

https://www.womenshealth.pt/saude/descubra-deve-beber-champanhe-vezes/

Brand Story