Menu
Inicio Saúde Por favor, corte no sal!

Por favor, corte no sal!

36% dos portugueses sofrem de hipertensão. Mas os maus hábitos que levam a tal problema teimam em manter-se. Porquê esta tendência?

reduzir o sal

Uma alimentação pouco equilibrada, abusar na quantidade de sal que coloca na comida e comer muitas vezes fora de casa são alguns dos comportamentos que podem levar à hipertensão. Contra isto só podemos dizer, dessalgue a sua vida!

Em momentos de maior emoção ou esforço físico, é normal que a quantidade de sangue que passa nas artérias seja superior, o que se traduz no aumento da tensão arterial. Mas, depois, os valores devem normalizar. Quando isso não acontece podemos estar perante um caso de hipertensão arterial. Falamos de uma doença crónica e que apresenta números preocupantes no nosso país.

Os mais recentes dados do Serviço Nacional de Saúde (SNS) mostram que cerca de 36% da população portuguesa em idade adulta sofre desta patologia, o que é especialmente preocupante, pois pode gerar outros problemas a nível cardiovascular. Além disso, está relacionada com a morte precoce e não apresenta sintomas físicos. Nos casos mais extremos, é possível que o doente com hipertensão sinta zumbidos nos ouvidos, dores de cabeça e lesões ao nível do cérebro, coração e rins.

Um travão necessário

A hipertensão é exacerbada por dietas pouco equilibradas. Tudo começa na quantidade de sal e gordura que consome por dia. A questão do sal é importante, “já que a quantidade diária recomendada é uma colher de chá rasa e consumimos mais do dobro dessa quantidade”, explica Vítor Paixão Dias, presidente da Sociedade Portuguesa de Hipertensão.

No caso da gordura, não só a quantidade, mas a qualidade deve ser tida em conta, já que
a saturada é um inimigo a abater. Em teoria, a dieta mediterrânica, típica dos países da bacia do Mediterrâneo, seria ideal para assegurar um bom estado de saúde, quer físico quer emocional. Mas, na prática, já não seguimos essa dieta como deveríamos: comemos alimentos altamente tóxicos para o organismo e introduzimos os alimentos processados.

“Sabendo nós que os portugueses consomem à volta de 10 g de sal por dia e que
a Organização Mundial da Saúde recomenda 5 g, é muito fácil perceber a mensagem global”, acrescenta Alexandra Bento, bastonária da Ordem dos Nutricionistas.

Como posso comer menos sal?

Comer menos sal pode ser um desafio. Primeiro, porque o paladar está habituado a um tipo de condimentos e, quando ocorrem alterações, não é de espantar que custe um pouco. Depois, porque não depende só de si. Quando vai a um restaurante não consegue controlar a quantidade de sal na comida, nem mesmo a quantidade que já é preexistente nos alimentos. O ideal é que troque o sal por ervas aromáticas e especiarias que, além de adicionarem sabor aos cozinhados, também têm vantagens a nível da perda de peso.

Escolha o azeite e o vinagre para temperar as saladas e deixe o sal de lado. No caso das carnes e peixes, Alexandra Bento recomenda ainda que opte pela vinha de alho (use vinho ou limão, alho e outras ervas aromáticas). Pode também regar o peixe e a carne com limão, de forma a sentir menos necessidade de adicionar o inimigo número um da sua tensão.

Outros Artigos


Outros Conteúdos GMG

Brand Story