Menu
Inicio Sexo Pode a pílula comprometer o desejo sexual?

Pode a pílula comprometer o desejo sexual?

O número de médicos que discutem abertamente o possível impacto dos fármacos na saúde sexual é extremamente reduzido. Por isso, a resposta é vaga.

pílula

Várias mulheres deduzem que sim. E falamos em dedução porque não há estudos suficientes que comprovem esta relação. Este é um assunto controverso, diz Leonor de Oliveira, psicóloga clínica, terapeuta sexual e investigadora na Fundação para a Ciência e Tecnologia, em Lisboa. “O número de profissionais médicos que discutem abertamente o possível impacto dos fármacos na saúde sexual é extremamente reduzido”, aponta.

A terapeuta sexual lembra o artigo científico de 2012, da autoria de Burrows, onde é descrito que a pílula pode de facto realizar-se com a libido de três formas. Levar ao aumento do desejo, à sua diminuição ou não ter qualquer impacto. Mas de que forma? O grande mistério ainda reside. “Há alguns estudos que apontam que a pílula contracetiva ter um efeito negativo sobre o desejo sexual, ou seja, que de alguma forma leva à diminuição do desejo. Mas há vários estudos que indicam que este efeito não se verifica”, diz Leonor de Oliveira.

Ciência sem resposta

Ainda assim, e mesmo que os mecanismos subjacentes à alteração do desejo sexual assumido por algumas mulheres sejam pouco claro, a especialista crê que “algumas mulheres são mais suscetíveis. Tal pode-se relacionar com aspetos biológicos, hormonais, psicológicos ou mesmo relacionais. Infelizmente a ciência ainda não conseguiu (ou não procurou) explicar que fatores poderão contribuir para a perda de desejo nas pessoas que tomam a pílula”.

Dito isto, se notou uma redução no desejo sexual após iniciar a toma da pílula, procure um profissional de saúde sexual. Nunca se avalie sozinha nem tampouco cesse a toma ou altere a dosagem da mesma. As regras base são semelhantes às de qualquer outro fármaco.

Tal decisão deve ser sempre discutida com profissionais médicos. “Há várias intervenções que podem ter resultados positivos, como a psicoeducação, terapia sexual, ou a psicoterapia” aponta Leonor de Oliveira. E refere ainda a possibilidade do especialista receitar um dosagem diferente ou outro método contracetivo. “Pode ser suficiente para elevar um pouco o desejo sexual”, garante.

Brand Story