Menu
Inicio Perder Peso “Perdi 152 kg depois de ter de me pesar numa balança industrial”

“Perdi 152 kg depois de ter de me pesar numa balança industrial”

Chegar aos 200 kg, não conseguir fazer atividades com os alunos e ter de se pesar numa balança industrial fizeram com que esta mulher se transformasse.

Artigo escrito na primeira pessoa

Mesmo quando estava na escola eu era sempre a miúda mais cheiinha. Isto acontecia porque a comida era uma parte muito importante na minha vida e, quer me sentisse feliz, triste, chateada ou entusiasmada, via a comida como uma parceira. A comida era o foco de cada momento e celebração.

Quando finalmente cheguei à idade adulta não tinha uma relação saudável com a comida, nem sabia qual era o aspeto da comida saudável. Em vez disso, comia quantidades excessivas, estava contentemente a comer snacks e repetia sempre duas ou três vezes a cada refeição.

 

“Um dia tive de usar uma balança industrial para me pesar em vez de uma balança normal e isso foi um grande ‘abre olhos'”.

 

EM 2016 consegui o emprego dos meus sonhos como professora de agricultura, mas o meu peso estava a impedir-me de dar aos meus alunos a experiência que eles mereciam. Não conseguia conduzir, por exemplo, a carrinha da escola para poder levar os alunos até aos campos.

Depois, num encontro com alguns colegas do secundário, uma amiga veio falar comigo sobre o meu peso. Ela trabalha num programa de perda de peso e acreditava que me conseguia ajudar na minha caminhada de perda de peso. Por isso, decidi tentar durante um mês, já que não tinha nada a perder. O problema foi que tive de me pesar antes de iniciar o programa. Quando me pesei, na balança industrial, tinha 233 kg.

Mudança radical na visão da comida

Comecei a ver a comida como combustível. E agora apenas quero dar combustível ao meu corpo com comida que me faça sentir bem. Isto significa vegetais e proteína magra. Durante as reuniões familiares não me rodeio de comida. Em vez disso, foco-me na minha família e consigo desfrutar da companhia deles, sem me sentir super cheia e com remorsos pelo que comi. Aprendi a criar relações com as pessoas e, pela primeira vez, tenho prazer de estar em público.

Mudar tudo de uma vez pareceu demasiado, por isso não comecei logo a treinar, quando comecei a dieta. Em vez disso, tentei adicionar hábitos mais saudáveis aos poucos como estacionar mais longe de casa e dar mais uma volta nos corredores da escola. Eventualmente, acabei por começar a caminhar, tanto na rua como n ginásio.

A minha perspetiva estava finalmente a mudar e o ginásio deixou de ser um lugar de castigo e passou a ser um local de celebração. Comecei a fazer cardio e, com o tempo, adicionei aulas de fitness.

 

O problema do excesso de peso

Em apenas dois anos perdi 152 kg e depois tinha excesso de pele. Passei cerca de um ano à procura de um cirurgião e fui a quatro consultas diferentes. Finalmente saí de uma consulta a sentir-me confiante e aí soube que tinha encontrado o médico certo.

O meu cirurgião focou-se em definir as cirurgias à minha medida e entendeu o meu desejo de remover o excesso de pele que me estava a causar dor, de uma só vez. Isto, porque eu não tinha dinheiro para fazer várias operações.

Tinha pele solta em grande parte do meu corpo, mas o meu foco eram as pernas e a zona abdominal. O médico decidiu que o ideal seria fazer um procedimento que removia o excesso de pele e dava novas formas ao meu tronco. Nas pernas a opção foi remover a pele em excesso das coxas.

A minha cirurgia aconteceu dia 14 de janeiro de 2019 e demorou cerca de 13 horas e meia. No total tiraram-me quase 6 kg de pele.

Para aqueles que querem começar a jornada da perda de peso para se tornarem saudáveis eu diria para levarem cada dia de uma vez, mudando hábito a hábito. Não se deixem levar pela grande quantidade de peso que querem perder. Em vez disso, sigam passos pequenos e façam um plano.

 

A minha perda de peso mudou todos os aspetos da minha vida

Passei de ver a minha vida passar-me ao lado para viver, de facto, a minha própria vida. Começou como uma jornada física, mas acabou por ser uma viagem mental também. Aprendi, finalmente, a gostar de mim tal como sou. Isto ajudou a aumentar o meu circulo social, que foi como conheci o meu noivo, o Dwight.

Esta viagem também me despertou para a possibilidade de, um dia, vir a ser mãe. Algo em que nunca havia pensado quando pesava mais de 200 kg. Agora, posso sonhar com uma gravidez saudável, estar presente na vida dos meus filhos e garantir que eles têm informação nutricional desde a infância.

Não desejo a ninguém pesar 233 kg, mas deixa-me contente que tenha passado por isto. Ter a possibilidade de usar o meu percurso que foi um escape à obesidade mórbida e agora ajudar outras pessoas tem sido uma boa experiência.


Leia também

Quantas vezes por semana deve subir à balança?

 

Artigo via Prevention

Brand Story