Menu
Inicio Saúde Os animais mais recomendados para a saúde mental, segundo a ciência

Os animais mais recomendados para a saúde mental, segundo a ciência

Uma psiquiatra diz-nos quais são os melhores animais de estimação a ter para melhoria de sintomas de depressão e ansiedade.

animais de estimação
Pexels

Quem tem animais de estimação concorda que estes os tornam felizes e que contribuem para o bem-estar pessoal e mental. Estes pequenos animais ajudam por vezes a detetar doenças e são um enorme apoio emocional, pelo que os donos tendem a ser mais saudáveis em geral.

Está cientificamente comprovado que ter um animal de estimação em casa ajuda consideravelmente a redução de sintomas de ansiedade, stress e depressão.

Segundo dados de um estudo elaborado pela Human Animal Bond Research Institute com duas mil pessoas com animais de estimação, 74% relataram uma melhoria na saúde mental em decorrência da relação com seu animal de estimação, e 75% relatam melhoria da saúde mental de um amigo ou familiar devido a presença de um animal de estimação.

A presença de um animal também contribui para a diminuição da sensação de solidão, pode ajudar com a autoestima, contribuindo para transmissão de sensação positiva e inúmeros benefícios ao organismo do ser humano.

Assim, Judith Joseph, psiquiatra com sede em Nova Iorque e TikToker, partilhou com a Women’s Health as suas recomendações sobre os animais de estimação que beneficiam a saúde mental de cada um, dependendo do problema que tiver.

Os animais de estimação mais recomendados para a melhorar a saúde mental e bem-estar

Judith Joseph enumera várias perturbações mentais, tais como depressão, trauma ou ansiedade, e liga cada uma delas a um animal de estimação devido aos benefícios que este animal pode trazer à pessoa com o problema. De facto, tal foi o sucesso do primeiro vídeo que ela fez uma segunda parte onde alargou a lista para incluir a desordem bipolar, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, desordem obsessiva compulsiva e demência.

Para aqueles com depressão, Joseph recomenda um cão. “Eles leem bem os humanos, são empáticos e forçam-nos a sair”, diz ela no vídeo. De facto, os peritos dizem que dormir com o seu cão melhora a sua saúde mental.

Para o autismo, a médica recomenda os gatos, notando que eles não fazem contacto visual intenso e compreendem os limites físicos conforme necessário. Também foi demonstrado que os gatos aliviam os sentimentos de stress das crianças com autismo.

Se já lidou com traumas, a especialista recomenda um cavalo. “Permitem construir confiança e superar medos, fomentando a ligação e a sensação de segurança”, diz.

Para ansiedade, ela sugere um peixe. “Vê-los nadar na água acalma as ondas cerebrais e baixa a pressão sanguínea”, explica.

Ela recomenda uma cobra para os transtornos bipolares, notando que os seus movimentos ritmados no seu braço podem ajudar a estabilizar o seu humor.

Os lagartos são recomendados para quem sofre de transtorno do déficit de atenção com hiperatividade por serem independentes e terem uma manutenção relativamente baixa. “Eles [lagartos] não vão sobrecarregar as pessoas com questões de organização e atenção”, refere Joseph.

Para o TOC ela recomenda as aves. “Elas estão contidas no seu ambiente, raramente poluem a casa e fornecem música calmante”, diz.

Para os idosos com demência, Joseph sugere uma tartaruga, um animal de estimação popular nos anos 60. São de ritmo mais lento e “podem ajudar a desencadear memórias”. Embora não haja estudos sobre os efeitos das tartarugas na demência, a posse de animais de estimação em geral tem estado ligada à melhoria dos sintomas relacionados com a demência.

Brand Story