Menu
Inicio Sexo Orgasmos anais são reais. Saiba tudo

Orgasmos anais são reais. Saiba tudo

Não há dúvida de que o sexo anal ainda vem com um pouco de tabu (embora sexy). Talvez seja porque entrar no campo anal pela primeira vez pode ser intimidante, para dizer o mínimo.

O que deve fazer? É doloroso? Agradável? E acima de tudo: é realmente possível ter um orgasmo anal?

Afinal, o que é um orgasmo anal?

Para começar: sim, o sexo anal pode ser agradável. E sim, orgasmos anais são reais.

Simplificando, um orgasmo anal é um clímax alcançado pela estimulação de pontos nervosos de alta densidade no ânus. “Orgasmos são a libertação repentina da tensão sexual”, diz Sheila Loanzon, médica, obstetra e ginecologista do American College of Obstetrics and Gynecology. “E existem diferentes maneiras de atingir o orgasmo, incluindo analmente”.

“Existem nervos na parede interior do reto à vagina”, explica a médica, “portanto, para as mulheres, pode ser possível que ocorra a excitação sexual a partir da estimulação retal“. Para além disso, os nervos do clitóris estendem-se por todo o caminho de volta ao ânus. E para os homens, a estimulação anal provoca prazer na área da próstata.

Kimberly Langdon, médica, obstetra e ginecologista de Medzino,analisa ainda mais, observando que a relação anal estimula a região chamada ponto P nos homens e produz orgasmos. Para as mulheres, a relação anal aplica pressão na parede interior da vagina (localizada logo abaixo da bexiga), mais profundamente e mais perto do colo do útero, numa área conhecida como fórnice anterior. “Este é o ponto A e produz contrações semelhantes a ondas”. Para homens e mulheres, Langdon diz que empurrar por muito tempo num lugar em vez de empurrar continuamente pode ajudar algumas pessoas a atingir o orgasmo.

Para localizar essas áreas sensíveis, tente empurrar para cima em direção ao umbigo (com um dedo, vibrador ou pénis) da mesma forma que direcionaria o ponto G na vagina, diz Alicia Sinclair, uma educadora sexual.

Independentemente da forma como o faz, “um orgasmo é um orgasmo”, diz Sinclair, “mas eles podem parecer diferentes se forem originados em diferentes partes do corpo”.

Também vale a pena notar: se um método não está a funcionar para si (brinquedos sexuais, dedos, língua, penetração peniana…), outros ainda podem ser agradáveis!

Como ter um orgasmo anal

Respire fundo e relaxe. Muitas vezes, quando se trata de sexo anal, colocamos muito stress e pressão sobre nós mesmas, mas como diz a sexóloga Jaiya Ma, “assim que a pressão entra em cena, a excitação geralmente diminui”. Respirar fundo, colocar uma música relaxante ou até mesmo imaginar um cenário relaxante pode fazer uma grande diferença.

Conforto é a chave. “Isso ajuda a sentir-se confortável em termos de limpeza, posição corporal e a sua própria mentalidade”, diz Ma.

Vá devagar. Sinclair adverte fortemente contra ir de “zero a pénis”. Em vez disso, comece com um brinquedo pequeno e devagar, algo a que ela se refere como “treino anal”.

“O melhor lugar para começar é sempre o seu próprio dedo, para que possa ser a doadora e o recetora”, diz Sinclair. Como alternativa, pode usar um plug fino ou contas anais.

Convide um parceiro para participar assim que se sentir confortável com as novas sensações, tendo identificado o que gosta e o que não gosta, diz Sinclair.

Opte pelo que sabe que gosta. Tem mais probabilidade de ter um orgasmo anal se incorporar a rotina que normalmente a leva à linha de chegada. Gosta de vibração no seu clitóris? Ótimo, mantenha o vibrador entre as pernas enquanto o seu parceiro estimula o seu ânus. Gosta de ser amarrada antes de ser penetrada? Pegue nas algemas e peça ao seu parceiro para a amarrar.

Experimente várias técnicas. Embora seja ótimo manter o que sabe, também não custa adicionar coisas novas ao seu repertório sexual. Por exemplo, tente incorporar o jogo anal ao sexo com penetração, recomenda Sinclair. Um plug anal ou dedo pode ser agradável para ambos os parceiros.

Vá devagar. O ânus não se autolubrifica, como tal, é vital que faça isso a um ritmo de tartaruga ao iniciar qualquer penetração, para ter a certeza de que o seu parceiro está confortável. “Fale sobre o que é bom e, o mais importante, obtenha consentimento para continuar de maneiras especificamente desejadas ou pare”, diz a educadora em sexualidade Ericka Hart.

Use lubrificante, lubrificante e mais lubrificante. Mesmo com a masturbação anal, a lubrificação é fundamental: é preciso manter as coisas escorregadias, diz Sinclair, porque, ao contrário da vagina, o ânus não se autolubrifica. Sem lubrificante, “vai sentir uma fricção que não faz bem e também pode causar pequenos rasgos dentro do canal anal”. Embora não sejam necessariamente lesões sexuais graves, certamente não são confortáveis: se o orgasmo anal for o objetivo, vai querer lubrificar abundantemente.

Certifique-se apenas de que o seu lubrificante não contém um agente entorpecente, adverte Sinclair. Para quem está ansioso por uma experiência anal,

Experimente posições. Para duplas não heterossexuais, ou casais heterossexuais que querem tentar algo diferente, Ma diz que deitar-se de bruços com uma das pernas para cima e um travesseiro sob o torso é uma opção sólida. “Isso pode tornar o acesso mais fácil para o seu parceiro”. Outras opções? Deitada de lado com os joelhos dobrados no peito.

E não se esqueça da segurança!

O sexo mais prazeroso é o sexo seguro.

  • Certifique-se de que qualquer brinquedo sexual tenha uma base alargada: “O ânus é como uma estrada e suga qualquer coisa que não alargue para impedir a entrada”, diz Hart.
  • Use sempre, sempre, sempre lubrificante
  • Lave a região do ânus e quaisquer brinquedos com água morna e sabão
  • Use preservativos para se proteger
  • Não vá do ânus à vagina se limpar primeiro

Brand Story