Menu
Inicio Nutrição Eis o que acontece se cortar todo o açúcar por 30 dias

Eis o que acontece se cortar todo o açúcar por 30 dias

O desafio de 30 dias não é fácil, mas os efeitos são notórios. E quem o faz por 30 dias…

Mesmo que não tenha excesso de peso, não pode comer ‘tudo o que quiser’. A alimentação regrada e equilibrada é essencial a qualquer um que siga um estudo de vida saudável. E embora uma sobremesa ou um copo de álcool de vez em quando faça parte da alimentação saudável e equilibrada, muitos são os que abusam dos chamados guily pleasure.

A comprovar que é possível sobreviver sem açúcar, uma jornalista de alimentação da Runner’s World passou pela experiência na primeira pessoa durante 30 dias. Findo o mês do teste, apontou sete consequências que farão qualquer um olhar para o desafio como algo por que vale a pena passar.

Antes de apontar as suas conclusões, especificou apenas que a exclusão total recaia sobre os açúcares refinados, os naturais pode continuar a comer, ou seja, o açúcar presente na fruta ou mesmo uma colher de mel num iogurte natural. Contudo, esta adição de adoçante natural era limitada a 8 gr por dia.

Leia a experiência de Heather Mayer Irvine na primeira pessoa

  1. Senti-me mais leve – ao início

Como devem calcular, sentia-me ótima nos primeiros dias. A palavra-chave era mesmo ‘bem-estar’. Mas um par de dias chegou para concluir que tal não chegava para ver os números mudar na balança. Talvez se antes da experiência comesse apenas fast food notaria mais diferenças, ainda assim, mantive a motivação.

  1. Descobri uma nova força de vontade

Não sentia grandes dificuldades neste campo – já corri sete maratonas e preparei-me devidamente para cada uma delas. Não tenho medo de trabalhar a altas temperaturas ou com temperaturas negativas… mas quando se trata de doces, já não posso dizer o mesmo. Esta experiência ajudou-me a comprovar que, afinal, não é assim tão difícil recusar aquele chocolate depois do almoço ou aquela tigela de gelado a meio da noite.

  1. A minha pele rebentou

Ouvimos histórias de quem cortou no açúcar ou noutros mais hábitos e ganhou uma pele muito mais brilhante ou um cabelo mais sedoso. Isto não aconteceu comigo. Na verdade, ganhei uma borbulha de acne no queixo. Para ser sincera, já estou a lutar contra a acne há algum tempo, pelo que esta minha mudança na minha alimentação pode não ter sido a causa, mas a verdade é que aconteceu uma semana depois de cortar a maior parte do açúcar da minha alimentação.

  1. Passei a comer mais frutas e nozes

Eu amo fruta. Em relação aos vegetais, estou a melhorar a minha relação, mas para contrariar a falta de açúcar foi mesmo nas frutas que me foquei. Percebi que me estava a sentir muito melhor, mais saciada, graças à fibra lá presente. Uma consequência que já sabia, na teoria, mas que sabe bem comprovar na prática. Quanto a frutos secos, a castanha de caju orgânica (sem sal, assada) tornou-se o meu lanche básico. É rica em gordura, sim, mas saciante, saboroso e fácil de usar como snack.

  1. Aprendi que açúcar está em todo o lado

A sério. Eu achava que já tinha uma noção sobre os ‘açúcares escondidos’, mas na verdade não. O açúcar está mesmo em todo o lado. Aprendi a ler tabelas nutricionais de forma ainda mais aprofundada, o que me ajudou a fazer melhores escolhas. Ester será sem dúvida um hábito a manter por muito tempo.

  1. Tornei-me mais criativa

Fazer granola caseira é apenas um exemplo. Com este desafio percebi algo que um amigo meu dizia: é melhor fazer as coisas sozinho. Adoro fazer biscoitos, mas na maioria das receitas estão cheios de açúcar. Então, usei uma das minhas receitas favoritas e aprimorei-a, de forma a torná-la um pouco mais saudável. Em vez de Nutella, que normalmente junto à farinha de aveia (juntamente com manteiga de amendoim), fiz uma pasta de chocolate à base de abacate, adoçada com mel. Muito melhor do que alternativas de super mercado.

  1. Passei a comer melhor

Não vou mentir. Achava que, após este desafio, o meu peso iria diminuir e voltaria a ter o corpo magro que tinha quando corria. Em vez disso, não perdi peso. Mas também não ganhei.

Percebi que, apesar dos meus desejos por doces, como bem e não tenho muitas mudanças a fazer. Claro que, se quisesse perder cinco quilos, provavelmente teria de o fazer, contudo, teria de fazer um grande défice calórico o que seria demasiado pesado. Para mim, seguir uma dieta bastante equilibrada e ter um bom desempenho na estrada é o essencial.

Artigo via Runner’s World

Brand Story