Menu
Inicio Living “O Impostor do Tinder”: documentário conta história real de burla na app

“O Impostor do Tinder”: documentário conta história real de burla na app

O documentário pode ser visto na Netflix.

O documentário O Impostor do Tinder, já é um grande sucesso na Netflix. No entanto, traz uma abordagem intensa e um tanto assustadora, sobre os sites e aplicações de encontros da internet. Isto porque, o filme conta a história da vida real de Simon Leviev. Trata-se de um homem vigarista e desonesto, famoso por seduzir mulheres e enganá-las por dinheiro.

Baseado num caso real que aconteceu em 2018, o documentário segue Cecilie Fjellhøy após dar match com um homem que conheceu na aplicação Tinder.

Afirmando ser filho do multimilionário russo-israelense Lev Leviev, magnata de diamantes, o suposto herdeiro encantou a mulher. Após uma noite mágica num jato privado – e tendo a certeza que conheceu o homem dos seus sonhos – o relacionamento entre Cecilie e Simon tornou-se no pior dos seus pesadelos e deixou-a com uma grande dívida.

Quem é Simon Leviev?

O culpado, nascido como Shimon Hayut e agora conhecido como Simon Leviev – após mudar o nome – nasceu em Bnei Brak, uma cidade perto de Tel Aviv, Israel. Ele acabou por sair do país em 2011, após ser indiciado por fraude. Decidiu ir para a Finlândia, onde aplicou um golpe em três mulheres e em 2015 esteve dois anos preso, sendo libertado em 2017.

Após sair da prisão, voltou para Israel por um curto período e cruzou as fronteiras antes de ser apanhado pela polícia por conta da sua pena de fraude que ainda não tinha cumprido. Ele voltou para a Europa, onde deu o golpe em Cecilie, ponto de partida do começo do documentário.

O esquema para enganar as vítimas era simples: dar match no Tinder, conhecer as mulheres, provar o quanto era rico e pouco depois distanciar-se das vítimas alegando que estava “muito ocupado”.

Depois de um tempo numa relação à distância, Leviev mandava vídeos e mensagens a mostrar que estava a correr perigo. Então, pedia dinheiro ou o cartão de crédito da namorada para não ser rastreado e prometia que devolveria a quantia. Mas isso nunca aconteceu.

Leviev mandava cheques que ficavam no limbo, transferências que davam erro e presentes bem bonitos, porém falsos. É claro que, depois de o dinheiro das vítimas acabar elas cobravam uma resposta, mas Leviev simplesmente desaparecia.

Simon Leviev foi preso?

Felizmente, o homem foi apanhado em 2019 com um passaporte falso num aeroporto na Grécia. Após ser procurado em vários países da Europa, Leviev foi deportado para o seu país de origem, Israel. Lá, negou todas as acusações contra ele, dizendo que nunca tirou nada das mulheres e que elas gostavam da sua companhia.

No final nada o ajudou e foi finalmente condenado a cumprir 15 meses de prisão, após acusações de roubo, falsificação e fraude – incluindo acusações desde 2011 que nunca cumpriu.

Após servir apenas cinco dos quinze meses a que foi condenado, Leviev saiu da prisão no início de 2020 por bom comportamento.

Onde está agora?

Simon desativou a sua conta de Instagram um dia depois do lançamento do documentário sobre os seus golpes, a 4 de fevereiro. Na última publicação feita, 13 semanas antes, Leviev era visto ao lado de um Lamborghini vermelho. Com 220 mil seguidores, Leviev ainda prometeu contar o seu lado da história e pedia para que o público tivesse uma mente aberta sobre o assunto.

Brand Story