Menu
Inicio Gravidez Mulher que nasceu sem vagina prepara-se para ser mãe

Mulher que nasceu sem vagina prepara-se para ser mãe

Tara Lou Hockaday, uma inglesa de 37 anos que nasceu sem vagina prepara-se para ser mãe através de um procedimento médico inovador e esperançoso.

Mulher que nasceu sem vagina prepara-se para ser mãe

A medicina tem evoluído e ajudado muito as pessoas com doenças que seriam, à partida, difíceis de tratar. A prova disso é a história de Tara Lou Hockaday, uma mulher inglesa que nasceu sem vagina e que hoje se prepara para ser mãe.

Tara, hoje com 37 anos e residente em Newcastle, sofre da síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser (MRKH), o que fez com que nascesse com um problema ao nível dos ovários e da vagina. Durante a infância e a adolescência, os órgãos do sistema reprodutor de Tara não se desenvolveram como seria de esperar. Apesar de os seus órgãos genitais terem uma aparência normal por fora, por dentro, a situação é bem diferente.

Segundo relatam meios de comunicação internacionais, aos 14 anos Tara foi diagnosticada com a versão mais grave desta doença, que a deixou sem canal vaginal, útero, colo do útero ou Trompas de Falópio, além de ter apenas um rim.

Ainda na adolescência, Tara passou por uma cirurgia para reconstruir a vagina usando parte do seu o intestino, um procedimento conhecido como vaginoplastia de íleo. Hoje, com uma vida sexual normal, esta mulher tem o sonho de ser mãe, estando já na lista de espera para um transplante de útero.

A cirurgia de reconstrução

Tara tomou a decisão de fazer a cirurgia de reconstrução aos 14 anos para ter um canal vaginal e, assim, poder manter relações sexuais no futuro. “A minha cirurgia foi arriscada, dado que envolvia usar dois centímetros do meu intestino para criar uma nova abertura. Era muito jovem, mas, naturalmente, sentia-me envergonhada com a minha condição naquela época, já que era uma patologia tão rara”, afirmou em entrevista ao Daily Mail.

Depois do procedimento, Tara precisou ainda de passar por uma terapia de dilatação. Este tratamento consiste na inserção de um dispositivo médico em forma de cilindro na vagina, para expandir o seu tamanho e tornar seu tecido mais elástico.

Desejo de ser mãe

Tara sempre quis ter um filho, mas, devido à sua doença, os médicos disseram-lhe que não tinha ovários, pelo que esse sonho estaria à partida condenado. No entanto, quando cresceu, os médicos descobriram que estavam errados. “Eu tinha ovários, o que significava que era possível ter filhos. Contudo, eu teria que passar por fertilização in vitro ou considerar opções alternativas”, acrescentou na mesma entrevista.

Quando conheceu seu parceiro, há quatro anos, Tara foi honesta sobre sua condição. Juntos tentaram explorar as opções existentes para, mais tarde, poderem formar uma família. “Eu não tenho um útero, então a próxima cirurgia de que eu preciso é um transplante de útero”, disse. “Seria incrível ter nossa própria família e mostrar aos outros que tudo é possível”.

A única forma de Tara vir a engravidar é se conseguir um transplante de útero. Neste momento, a mulher de 37 anos está na lista de espera para fazer esse procedimento. Entretanto, quer consciencializar as pessoas para esta doença para que mais mulheres tenham acesso a um diagnóstico rápido e que encontrem a ajuda de que precisam.

Na sua página de facebook Tara admitiu que lhe custava partilhar tanto sobre a sua vida pessoal, mas afirmou ainda que, se o seu testemunho ajudar outras pessoas, então já é um bónus.

+WH: Veja a galeria acima e descubra alguns factos importantes sobre a vagina.


Leia também

Como assim menstruar duas vezes no mesmo mês?

Artigo via Women’s Health

Brand Story