Menu
Inicio Nutrição Tudo o que tem de saber sobre fruta desidratada

Tudo o que tem de saber sobre fruta desidratada

Tudo o que tem de saber sobre fruta desidratada

A fruta desidratada ganhou a alcunha do snack perfeito. Mas será que é? A nutricionista Rita Lima responde.

Poder antioxidante

Tal como a fruta fresca, a fruta desidratada tem vitaminas com poder antioxidante. Mas, devido à sua falta de humidade, o conteúdo é muito mais concentrado. Isto inclui a fibra, que, ainda que seja boa para si, pode fazê-la inchar e ter cãibras. “Sendo retirada a água presente na fruta, aumenta a probabilidade de cãibras por desidratação e inchaço abdominal, pois não existe tanto auxílio ao funcionamento do trânsito intestinal”, explica Rita Lima, nutricionista no Antas – Prime Fitness, no Porto. Além disso, a fruta desidratada contém também mais açúcar e, por isso, mais calorias. Isto acontece porque, ao desidratar a fruta, “a frutose fica mais concentrada, aumentando o valor energético por porção”, continua a especialista. Mesmo os pacotes que referem ser sugar free têm açúcar e, por vezes, esses açúcares podem não ser fáceis de digerir em grandes quantidades.

Superfácil de levar dentro da mala

Bem vistas as coisas, a fruta pode ajudar a evitar os snacks menos nutritivos, como bolachas, biscoitos ou bolos. Se tem vontade de comer uma papa, experimente fruta no forno, que ainda lhe dá um toque de crocante. Apetece-lhe gomas? Compre uma variedade com pouco açúcar. Um sabor exótico como o da manga vai fazer que tenha mais tempo para acabar o pacote.

Delicioso, portátil e, na sua maioria, saudável, a fruta desidratada tem vindo a ganhar mais fãs. Ainda assim pode ser menos benéfica do que o que parece.

Dicas WH:

1. Beba água
“O conteúdo de fibra da fruta desidratada é inferior ao da natural.” Assim, se bebemos menos água, o organismo vai absorver todos os líquidos e isso pode causar prisão de ventre. “O simples facto de beber pouca água é potenciador da prisão de ventre”.

2. Coma as quantidades certas
A fruta natural é sempre preferível, mas se tiver de escolher a opção desidratada, “não deverá exceder o equivalente a uma peça de fruta (por norma 60 g) por dia. Idealmente, não deverá consumir todos os dias”.

3. Adicione proteína
Quando comemos fruta fresca, devemos juntar uma fonte de proteína para cortar o açúcar da fruta. “Neste contexto [da fruta desidratada], a proteína ajuda no atraso da absorção dos açúcares, evitando um pico de glicemia”.

Brand Story