Menu
Inicio Living “Quem domina bem a respiração, domina melhor os esforços físicos e mentais”

“Quem domina bem a respiração, domina melhor os esforços físicos e mentais”

respiração

Respirar é algo que fazemos de forma tão mecânica e automática, que são raras (ou nenhumas) as vezes em que prestamos atenção a este ato que nos faz viver. Mas devíamos.

“Quem domina bem a respiração, domina melhor os esforços físicos e mentais”, diz à Women’s Health Hugo Loureiro, professor de Pilates e co-fundador do projeto PT Studio.

E não faltam evidências científicas que provem a importância de saber respirar. Afinal, salienta, “a respiração é um processo natural, que reflete a individualidade de cada pessoa, em termos de composição corporal e de características psicológicas”.

“Um estudo do Journal of Applied Physiology, revelou que, em casos de insuficiência cardíaca, com treino muscular respiratório, [os pacientes] melhoram a circulação sanguínea, a mecânica respiratória e o descongestionamento do fígado, diminuindo a atividade do sistema nervoso simpático, através da ativação do nervo vago, ligado a muitos órgãos do sistema digestivo. É daí que vem a velha expressão, de querermos ir ao WC, quando temos medo”, explica.

Outro estudo divulgado no Proceedings of the National Academy of Sciences, “revela que a estimulação deste nervo do sistema parassimpático reduz os sintomas de artrite reumatoide”.

Há mais razões para querer dar mais importância à respiração.

 

Diz-me como respiras e dir-te-ei quem és

Ficar sem ar não é apenas uma consequência de determinadas doenças ou condições de saúde. Ficar sem ar, pode ser mesmo o espelho mais fiel da falta de controlo na nossa própria respiração.

Mas não só. “Quando o esforço físico e os níveis excessivos de concentração e de stress aumentam, deixamos de respirar fluidamente, de acordo com as nossas necessidades cardiorrespiratórias e emocionais”.

“Poderíamos dizer: diz-me como respiras e em que circunstâncias é a forma como respiras, dir-te-ei quem és. A respiração coage com quatro características da nossa existência: vitalidade, postura, vocalização e emoção”, frisa o também formador de formador de Low Pressure Fitness.

Como? Hugo Loureiro explica: “No primeiro caso, é uma função vital para nós; no segundo, relaciona os principais músculos da respiração e a forma como nos posicionamos e nos colocamos, ou seja, com a postura corporal; no terceiro, dado o protagonismo fisiológico e mecânico dos músculos respiratórios no desempenho vocal e a quarta, devido à interação entre os músculos respiratórios, o sistema nervoso e o sistema endócrino”.

“Se aproveitarmos ao máximo o potencial da respiração, nas quatro características anteriores, aprendendo a respirar e a integrar o treino com a respiração, melhoramos a nossa qualidade de vida, prevenindo doenças cardiovasculares, pulmonares, musculoesqueléticas e psíquicas”, enaltece.

 

A respiração como base do bem-estar

Quem recorre ao Pilates para promover um reforço do pavimento pélvico, nem sempre compreende o que é que a respiração tem a ver com esta região do corpo. Mas está tudo ligado.

Tal como destaca Hugo, “a principal investigadora de Low Pressure Fitness, a doutora Tamara Rial, alerta frequentemente para as conclusões de um estudo do Journal of Manual Therapy, em que a primeira etapa de progressão é a respiração diafragmática, sendo a última, atividades de impacto. A todas as senhoras e meninas que andam felizes aos saltos, esta revelação diz tudo”.

À WH, o especialista salienta ainda outras investigações que encontram uma “associação muito maior entre problemas de respiração e dores de costas, assim como desordens no soalho pélvico, do que a obesidade e a falta de exercício físico”.

“Para quem quer engravidar e para quem já engravidou, é fundamental recorrer a treinos em que o trabalho respiratório seja dominante. O Low Pressure Fitness, que são exercícios hipopressivos, dos quais sou formador, o método de Pilates, o yoga, o tai-chi, a meditação, alongamentos de cadeias musculares e o SGA (stretching global ativo), são fundamentais neste processo. Todos as deviam praticar e, nalguns casos, têm”, concluiu.

 

+ WH: Conheça os conselhos de Hugo Loureiro para respirar melhor.

Brand Story