Menu
Inicio Living “Devia ser proibido ficar velho! Mesmo para os animais”

“Devia ser proibido ficar velho! Mesmo para os animais”

António Craveiro
“Devia ser proibido ficar velho! Mesmo para os animais”

Estava há dias sentado numa esplanada quando vi chegar à mesma uma conhecida minha com o seu cão. De uma forma lenta, bastante lenta dir-se-ia, ela quase que “arrastava” o seu “velho cãozito”. Com amor e com muito carinho lá lhe dizia palavras de incentivo para que o cão se mexesse permitindo-lhe sentar-se e tomar um café.

Cumprimentámo-nos e continuei a fazer o que estava a fazer: a ler.

Pouco tempo depois, sentam-se ao meu lado duas senhoras que numa conversa animada falavam das suas tarefas do quotidiano com uma certa elevação na voz. Tentei várias vezes recomeçar a minha leitura, mas o meu poder de concentração estava a diminuir.

Entretanto, nesta tentativa de ler e recomeçar a ler, a minha conhecida (dona do cão) levanta-se para ir embora, pega na trela e inicia a trajetória de volta. Uma vez mais, passo lento, muito lento e com uma enorme paciência ela para e espera pelo seu animal de estimação. O animal está “cansado” e velhinho. E é neste cenário que oiço ao meu lado o seguinte comentário:

“Devia ser proibido ficar velho! Mesmo para os animais”.

Todos nos deslocamos nessa direção… A velhice! Não há volta a dar. É a lei da vida. Tudo nasce, tudo morre.

Agora, a diferença está na forma como vamos abraçar essa “reta final” da nossa vida.

Uma vez mais, Pilates aparece aqui como um excelente antídoto para a nossa condição futura de “velhinhos”.

É sabido (dados estatísticos 10/7/2015) que Portugal apresenta, no conjunto dos 28 estados membros, o 5.º valor mais elevado do índice de envelhecimento; o 3.º valor mais baixo do índice de renovação da populaça em idade ativa; o 3.º maior aumento da idade mediana entre 2003 e 2013. E este cenário tenderá a agravar-se nos próximos anos.

Independentemente dos dados estatísticos e da inevitabilidade da nossa vida, estes são os problemas mais comuns que surgem na 3.ª idade e que se intensificam com o desenrolar dos anos:

  • Perda da densidade óssea (osteoporose)
  • Perda da massa muscular (sarcopenia)
  • Diminuição da flexibilidade
  • Perda da consciência/perceção corporal
  • Diminuição da coordenação
  • Diminuição na amplitude dos movimentos
  • Diminuição das relações espaço/temporais
  • Maior lentidão nas tarefas do quotidiano

 

Será através do método pilates que trabalharemos as várias capacidades dos alunos, perspetivando a melhoria da postura, da coordenação, do equilíbrio, da coordenação, da força, com o intuito de possibilitar a realização das suas atividades do quotidiano, tais como: andar, sentar, levantar, conduzir, pegar em objetos, realizar caminhadas, enfim, a possibilidade de usufruir de uma melhor qualidade de vida, sem estar dependentes de terceiros.

Será com esta autonomia funcional que o “idoso” se alavanca a ele próprio com uma auto estima elevada e com um certo distanciamento das depressões, doença característica desta faixa etária.

O método pilates tornou-se cada vez mais popular nesta faixa etária, exatamente pelo seu potencial em beneficiar uma melhor qualidade de vida, proporcionando o restabelecimento de uma melhor vitalidade física, revigorando a mente e elevando o espírito.

 

O especialista

Prof. António Craveiro, Mestre em Ciências do Desporto, Diplomado em Pilates Clássico/Autêntico e em Pilates Clínico

Brand Story