Menu
Inicio Saúde É por isto que fica com o ‘cérebro congelado’

É por isto que fica com o ‘cérebro congelado’

Aquela sensação horrível que acontece sempre que come gelado demasiado rápido, sabe?

gelado

Não há qualquer vergonha em atirar-se, de corpo e alma, a uma dose de gelado. Contudo, saiba que o cérebro vai atrás da gula e o inevitável acontece: a sensação cérebro congelado.

Na verdade, essa sensação de frio que se apodera do cérebro tem um nome científico. Chama-seganglioneuralgia esfenopalatina –e é, na verdade, uma tipologia de dor de cabeça.

Quando come ou bebe algo muito frio, muito rapidamente, há uma mudança de temperatura repentina na boca (ou seja, no palato) e ao fundo da garganta, que faz com que os vasos sanguíneos contraiam ou fechem.

Esta ação afeta uma das principais artérias cerebrais, responsável por levar sangue e oxigénio aos lóbulos frontais do cérebro. Assim explica Clifford Segil, neurologista no Providence Saint John Health Center, em Santa Mónica, EUA.

O cérebro, que não recebe esta alteração de ânimo leve, faz com os recetores de dor na camada exterior do cérebro dilatar e contrair rapidamente. Desta forma, o nervo trigémeo é ativado, enviando sensações da cara e cavidade oral para o cérebro. Essas sensações são depois processadas como dor.

A solução

A melhor forma de prevenir a sensação de ‘cérebro congelado’ é mesmo comer os alimentos mais gelados devagar.

Quanto a fazer a sensação desaparecer de forma mais rápida, experimente colocar a língua no céu-da-boca ou beber, de imediato, uma bebida que esteja à temperatura ambiente, para estabilizar a temperatura dentro da boca, explica Segil. Respirar pelo nariz também pode ajudar a aquecer a boca, acrescenta o profissional.

Apesar de muito desconfortável, esta sensação não é perigosa para o cérebro.


Este artigo foi originalmente publicado em womenshealthmag.com.

Brand Story