Menu
Inicio Saúde Descobriu que tinha cancro e o exercício ajudou-a a superar

Descobriu que tinha cancro e o exercício ajudou-a a superar

Linfoma de Hodgkin. O nome assusta e é suficiente para deitar qualquer um abaixo. Mas Joelma Alves não se deixou render e escolheu o caminho do exercício físico.

Descobriu que tinha cancro e o exercício ajudou-a a superar

Linfoma de Hodgkin. O nome, por si só, assusta e é suficiente para deitar qualquer pessoa abaixo física e mentalmente. Mas Joelma Alves não se deixou render ao óbvio e escolheu outro caminho, o do exercício físico. Ainda está tudo bem aberto – incluindo a doença – mas uma coisa é certa: “se não cuidarmos de nós, como vamos estar prontas para combater o que quer que seja?”

Descobriu que tinha cancro e o exercício ajudou-a a superar

Um pequeno nódulo que tinha tudo para passar despercebido. Um pequeno nódulo na axila que levou Joelma ao hospital para tirar dúvidas. Um pequeno nódulo que, afinal, era um de muitos e que a atirou do nada para a cama de um hospital com o diagnóstico de cancro, mais concretamente de linfoma de Hodgkin.

Corria o ano de 2012, Joelma tinha 28 anos, era recém-casada e considerava-se uma pessoa saudável. “Apareceu um nodulozinho na axila, tinha começado a ir ao ginásio na altura e pensava que estava relacionado, mas mesmo assim fui ao médico. Por acaso, fui ao Hospital de Santa Maria [em Lisboa]. Na altura, começaram a dar logo importância, mas eu desvalorizava. Fizeram uma série de exames, entre os quais uma TAC na qual apareciam já vários gânglios inflamados por todo o corpo. Era já um linfoma de Hodgkin nível 3, ou seja, tinha já uma grande parte do sistema linfático envolvido. Fiquei logo internada”, conta-nos.

Joelma Alves

Na altura, Joelma trabalhava como designer de interiores e estava prestes a mudar por completo a sua vida. “Eu e o meu [agora] ex-marido estávamos em vias de irmos morar para a Austrália. Era a semana em que íamos fazer o pagamento a uma empresa para tratar de tudo”, revela. A mudança abrupta de planos à boleia da doença não foi fácil de digerir, aliás, destaca que “nunca é fácil lidar com um diagnóstico destes, por mais que tenhamos uma atitude positiva, como eu comecei a ter, nunca é fácil e somos muito influenciados por quem está à nossa volta. Felizmente, penso que tudo acontece por um motivo”. E foi assim que Joelma se agarrou ao exercício físico como ferramenta de ataque à doença. “Virei-me para o desporto, de tal modo que hoje é a minha profissão”.

A vida pós-diagnóstico

Depois do primeiro diagnóstico, Joelma traçou uma missão para si, uma espécie de compromisso de luta que acabou por se transformar numa filosofia de vida: “A minha tarefa era cuidar de mim”. Para tal, começou a “comer bem, a investigar tudo o que fosse estudo [científico], com pés e cabeça e não sites malucos, e a treinar bem”. E os treinos aconteciam mesmo nos dias de quimioterapia. “No primeiro tratamento, fiz quimio e radioterapia e mesmo nos dias de quimio eu ia ao ginásio. Claro que há treinos e treinos, mas mesmo para a cabeça é sempre bom termos a noção de que fomos ao ginásio”, explica-nos e garante que foi nesses mesmos treinos que foi percebendo que era esse o caminho a seguir.

E foi assim que surgiu mais um ponto de virgem na sua vida. “No primeiro cancro, quando voltei ao trabalho depois dos tratamentos, não conseguia genuinamente ser designer. Adoro a área, mas em posse do conhecimento que tinha não conseguia ficar com aquilo para mim, precisava de explicar às pessoas que o cancro não tem de ser uma sentença de morte e que não tem de ser tabu”, diz-nos, confessando que foi nesse momento que percebeu que queria dedicar-se ao exercício físico de forma profissional.

“Fiz várias formações. Fiz a primeira de um ano e estágio, depois fiz especialização em reabilitação postural, que é uma das minhas grandes paixões, também fiz uma pequena formação da Federação de Halterofilismo de Portugal. Mais recentemente fiz uma formação em pré e pós-parto. Tenho vindo a fazer coisinhas de modo a tornar-me melhor, nunca sabemos tudo”, frisa. Atualmente, Joelma é personal trainer numa cadeia de ginásios e não se imagina a trabalhar noutra área que não esta que a ajudou a olhar para vida com outros olhos, uns olhos mais abertos e mais conscientes – mesmo perante toda a incerteza da doença.

Mas o compromisso que Joelma tinha consigo mesma e o esforço diário para lutar por um corpo mais forte, saudável e resistente não foram suficientes para que tudo voltasse a acontecer, qual sensação de déjà vu. Estávamos em março de 2018 e as malditas palavras voltam: o linfoma de Hodgkin estava de regresso.

“Não temos culpa do diagnóstico, não temos de esconder a falta de cabelo”

É a treinar que ela se entende

Consciente do que se seguia, Joelma deu início aos novos tratamentos, mas sempre a treinar. “Desta vez, fiz quimioterapia e transplante de medula. Após o transplante fiquei internada, era um quarto só para mim, estava em isolamento. Tinha muito tempo para mim, foram três semanas lá. Tive alguns dias de cama, com febre, mas nos outros todos tentava fazer as minhas refeições de pé, tentava fazer alguns movimentos pequenos, como agachamentos, mas sem parecer a maluca ali do hospital [risos], mas trabalhava flexibilidade, fazia prancha com as mãos apoiadas na cama. Conseguia preservar uma série de mecanismos do corpo sem me ir abaixo”, revela, orgulhosa.

Mas a história de Joelma tem muitos capítulos semelhantes aos de tantos portugueses. A tristeza está presente, assim como a frustração e a incerteza. Porém, uma coisa tem como certa e tenta passar essa ideia nas redes sociais: “Não temos culpa do diagnóstico, não temos de esconder a falta de cabelo, não temos de desculpar os enjoos por causa da quimioterapia. Não é culpa nossa, temos de lidar da melhor maneira possível, seja a fazer acupuntura, fitoterapia ou a dar um passeio. Fiz tudo isso e também exercício, o que me ajudou muito e acredito que vá ajudar muita gente”.

Atualmente, e como sente o “corpo a responder bem aos treinos”, Joelma tem treinado todos os dias e tem feito equitação, uma das suas paixões. “Como o meu corpo está a recuperar bem, ajuda a ter uma atitude positiva, é muito mais fácil. Mesmo naqueles dias complicados, uma caminhada ajuda”, frisa, destacando que faz “o treino normal de uma pessoa saudável, mas como tenho ainda o cateter fixo no peito, que ainda não foi tirado por uma questão de prevenção, não posso fazer nada que inclua impacto na zona. Ou seja, não posso fazer a maior parte dos movimentos olímpicos porque a barra bate aqui, junto à clavícula”.

A mensagem

Joelma tem uma mensagem a passar: nunca sabemos o dia de amanhã (e a própria está à espera de novos resultados para saber se a doença vai voltar) e até mesmo “num momento de dificuldade, doença, é impossível deixar o exercício físico para segundo plano, porque o nosso corpo é uma das armas de combate a tudo o que se passa na vida, o nosso corpo é o que nos leva de A a B. Se não cuidarmos de nós, como vamos estar prontas para combater o que quer que seja, desde desafios profissionais, físicos, cuidar dos nossos?”.

Joelma Alves

Para Joelma, não há outra de pensar senão o positivismo: “Temos sempre que cuidar de nós, seja com massagens, idas à praia, programa com amigos e, na minha opinião, fazer exercício também é crucial, faz-me sentir bem a fazer tudo o resto”.

Brand Story