Menu
Inicio Nutrição Calorias negativas. Aprenda a fazer melhores escolhas

Calorias negativas. Aprenda a fazer melhores escolhas

Tire todas as suas dúvidas.

calorias negativas

Os alimentos com calorias negativas destacam-se pela promessa de que gasta mais energia em mastigá-los do que aquela que irá obter após conseguir digeri-los. Mas vamos com calma. Mais do que olhar a números, há que olhar a nutrientes.

O défice calórico

Por dia, 5% a 10% das calorias gastas pelo organismo devem-se ao aproveitamento dos nutrientes através dos processos digestivos. Se apostar na ingestão apenas de produtos hortícolas, nas suas formas cruas, cozinhadas apenas em água ou ao vapor, já pensou no défice calórico que conseguirá obter? Mesmo que acrescente alguns frutos é provável que não chegue a atingir a quantidade de energia diária suficiente para assegurar as suas necessidades.

O conceito de ‘alimentos com calorias negativas’ enfatiza a ideia de que determinados alimentos têm muito poucas calorias. Na prática, se observarmos a composição destes alimentos, compreendemos que são ricos em fibra. Falamos do nutriente cujo aproveitamento energético conseguido pelo organismo se situa em volta das 2 kcal/g. Além disso, têm uma percentagem de água elevada, fornecem vitaminas, minerais e fitonutrientes (todos sem valor energético associado).

Não se deixe enganar…

Ou seja, fica-se com a sensação de que gasta mais energia em mastigá-los do que aquela que irá obter após conseguir digeri-los. Mas não se engane… não é nada saudável comer apenas produtos hortícolas e determinados frutos para sempre.

Há ainda outro subterfúgio da mente relativamente à ‘ilusão das calorias negativas’ – a ideia do que é mais saudável ou não. Se fosse comer um hambúrguer, optaria por um simples ou por um com camadas de cebola, alface, tomate e pepino crus? Muitas pessoas são capazes de identificar esta última opção como sendo a menos calórica, mas na realidade a mente está apenas a ler os itens ‘saudáveis’, que se adicionaram ao hambúrguer e a descontar as calorias que fornecem.

Este exemplo serve para expressar que não devemos olhar apenas para o valor calórico dos alimentos. Devemos sim entender que a adição de vegetais e fruta em cada refeição é, regra geral, benéfica. Vai ajudar-nos a fazer melhor a digestão e a favorecer a eliminação de gorduras menos saudáveis e excesso de açúcares.

Ora veja as melhores apostas:

Sónia dias, nutricionista das lojas Celeiro, deixa uma lista dos alimentos que mais pode consumir durante o dia sem colocar em risco a dieta. Ah, e opte por produções biológicas sempre que possível.

  • Alface: 12 Kcal/100 g
  • Tomate: 19 Kcal/100 g
  • Rabanete: 13 Kcal/100 g
  • Melão: 27 Kcal/100 g
  • Pepino: 17 Kcal/100 g
  • Morangos: 29 Kcal/100 g
  • Beterraba: 18 Kcal/100 g
  • Limão: 26 Kcal/100 g
  • Alho-francês: 21 Kcal/100 g
  • Framboesas: 34 Kcal/100 g
  • Agrião: 23 Kcal/100 g
  • Ananás: 44 Kcal/100 g

Brand Story