Menu
Inicio Living “Cada mulher tem de procurar a melhor versão de si mesma”

“Cada mulher tem de procurar a melhor versão de si mesma”

Georgina Rodríguez fala-nos da sua paixão eterna pela dança, da sua rotina de treino, da companhia de Cristiano Ronaldo e de como garante o seu bem-estar.

Crédito: EG Studio

“A dança é a linguagem escondida da alma”, já dizia a bailarina e coreógrafa Martha Graham. E Georgina Rodríguez é a prova disso mesmo, de como a dança se enraíza no ser, o molda, o define. Com uma paixão ardente por esta arte e um lado misterioso que não deixa ninguém indiferente, Georgina Rodríguez é uma das mulheres mais cobiçadas do momento. E muito mais do que ‘a namorada de Cristiano Ronaldo’.

A vida de Georgina Rodríguez tinha tudo para ser um livro aberto, não tivesse mais de 18 milhões de seguidores no Instagram e a imprensa de todo o mundo de olho bem atento a cada passo que dá. Mas não. Aos 26 anos, e consciente da exposição que tem, mantém-se fiel a si mesma, sempre reservada. E nem o rótulo de ‘a namorada de Cristiano Ronaldo’ – como quase sempre é chamada – a faz mudar. Aliás, esta capacidade de respeitar a sua própria forma de ser e estar, mesmo perante uma curiosidade mediática constante e muitas vezes escrutinante, mostra o quão independente de rótulos é.

Graças ao ballet, sou muito disciplinada e também muito sentimental

São raras as entrevistas que Georgina dá e quando o faz consegue sempre manter algum mistério. Chamemos-lhe privacidade, o nosso maior bem nestes tempos digitais e aquilo que tanto Georgina como Cristiano fazem questão de manter dentro de casa. E é por isso que não iremos estranhar se ficar surpreendida quando lhe dissermos que Georgina Rodríguez nasceu em Buenos Aires, na Argentina. A 27 de janeiro de 1994, para sermos mais precisas. Mas foi em Espanha, em Jaca, que viveu a infância e adolescência antes de rumar com a sua irmã Ivana até Madrid, para seguir o sonho de ser bailarina. No entanto, a capital espanhola foi mais do que o palco para continuar a dançar foi o cenário para uma das histórias de amor à primeira vista mais badaladas da atualidade.

Georgina Rodríguez

O Cristiano Ronaldo passou a ser a minha maior motivação e inspiração

O romance entre Georgina e Cristiano correu o mundo, como seria de esperar, num interesse generalizado que rapidamente fez a jovem perceber que a sua vida tinha acabado de mudar e que passaria a estar no centro de todas as atenções, como já fez questão de contar numa das poucas entrevistas que deu, tendo mesmo lamentado alguns episódios menos felizes, como aqueles em que jornalistas se disfarçavam de clientes apenas para entrarem na loja onde trabalhava para tentarem obter mais informações sobre a sua relação.

Mãe de 4, “sem distinções”

No final de 2017, Georgina Rodríguez deu à luz Alana Martina, a sua primeira filha com Cristiano Ronaldo, mas faz questão de deixar bem claro que é mãe de quatro, sem distinções e com todo o orgulho maternal que podemos imaginar e que só assim faz sentido. Afinal, a família é e sempre foi o seu pilar – uma forma de estar que partilha com o futebolista português, que nunca escondeu o orgulho nos seus.

E são os momentos em família o que mais gosta de mostrar nas redes sociais. É também nas redes sociais que mostra um pouco mais de si e a sua boa forma salta à vista de qualquer um. Um corpo saudável que se deve não só à disciplina que o ballet trouxe, mas sobretudo ao estilo de vida saudável e ativo que segue, sem fundamentalismos mas com a certeza de que é o caminho certo para o equilíbrio físico e mental.

Crédito: EG Studio

Esse foi o mote da nossa conversa em exclusivo com Georgina Rodríguez, que nos fala da sua paixão eterna pela dança, da sua rotina de treino (lamentamos, mas os exercícios de glúteos que faz continuam no segredo dos deuses), da companhia de Cristiano Ronaldo e de como o bem-estar de cada mulher – leia-se, pessoa – depende do amor que tem por si mesma e do quão empenhada está em encontrar a sua melhor versão. Dancemos juntas!

As fotos desta produção deixam clara a sua paixão pela dança. A postura de uma bailarina parece inata. A disciplina e o rigor que este tipo de modalidade exige ficam para sempre ou é algo que trabalha regularmente?

O comportamento que a dança clássica deixa no corpo dura para sempre se a tivermos praticado com muita dedicação e disciplina. A postura do corpo, o modo de andar, o movimento, os gestos… Até pela forma de caminhar pela rua se consegue reconhecer quem é ou foi bailarina. É um tipo de corpo muito próprio. Mas, obviamente, tudo requer treino regular. É como alguém que treinou durante toda a vida. Não pode parar drasticamente, mas sim continuar a dançar ou a praticar outro tipo de desportos de maneira a manter a forma física.

Mas acha que o facto de ter sido bailarina durante 14 anos continua a influenciar a sua forma física?

Eu gosto de treinar e de ter um estilo de vida saudável, com uma alimentação equilibrada e muito desporto. Mas, sem dúvida que o ballet moldou o meu corpo e a minha personalidade. É uma modalidade que exige muito sacrifício e trabalho. Pratico dança clássica desde os três anos e não tenho dúvidas de que a minha forma física está relacionada com este historial de bailarina. A disciplina que a dança me exigiu não se reflete apenas no meu corpo, mas também na minha maneira de ser e de organização mental.

Qual é a maior lição que o ballet lhe proporcionou?

Graças ao ballet, sou muito disciplinada e também muito sentimental. Transmitiu-me valores como o espírito de equipa e a perseverança. Também me deu capacidade de
interpretação, uma vez que um bailarino tem de desempenhar papéis diferentes, dependendo da coreografia ou da história que conta.

Crédito: EG Studio

Sinto até alguma ansiedade em pôr as minhas filhas no ballet para poder partilhar algo tão bonito e único com elas. Quero que elas descubram esta arte, tal como eu tive a oportunidade de a descobrir, aproveitar, aprender e trabalhar. Uma das melhores coisas que me aconteceu na vida foi começar a dançar. A dança é minha grande paixão, algo que nunca mudará.

Costuma partilhar no Instagram vários vídeos a treinar. Como é a sua rotina desportiva? Que tipo de exercícios prefere e com que frequência treina ou exercita-se de acordo com o que lhe apetece no momento?

Como qualquer pessoa normal, tenho fases. Tenho dias em que me apetece treinar mais e outros menos. Mas acredito que cada pessoa deve procurar a sua própria motivação. Afinal, tenho como lema: mens sana in corpore sana. Costumo fazer cardio e musculação. Já para não falar da tarefa de cuidar dos meus filhos, que também pode ser considerada um desporto, porque queimo imensas calorias ao fazê-lo.

E em confinamento, como treinou e como conseguiu conciliar o tempo com o cuidado de quatro filhos?

No primeiro mês não treinei muito, pois estava um pouco desmotivada e assustada com a atual situação do novo coronavírus. Sinto e sofro como o resto das pessoas. É um momento difícil e único na história, por isso, é normal que isso nos afete. A verdade é que, com crianças, sou sempre muito ativa e no segundo mês já consegui mudar o chip e comecei a encarar os treinos como uma forma de fugir à rotina nestes dias de isolamento. Para mim e para as crianças, o treino foi, sem dúvida, um dos melhores hobbies nesta quarentena. Isto porque eu gosto mesmo de incluir os meus filhos no meu treino, sempre que possível treinamos juntos.

E que parte do corpo mais gosta de treinar? Que exercícios faz para isso?

Glúteos, obviamente! Como os treino, é um segredo meu, mas podem saber um pouco mais se me seguirem no Instagram @georginagio! Mas vou revelar um segredo: a roupa. Gosto de me sentir bem enquanto treino e adoro vestir as roupas da Alo Yoga. Gosto de me sentir confortável, mas também sexy.

Crédito: EG Studio
Partilhar um dia de treino com o melhor jogador de futebol do mundo pode ser intimidante. Qual dos dois treina mais e quem está na melhor forma?

No começo, tinha vergonha de treinar com o Cristiano. Imaginem ter de treinar no mesmo espaço que o melhor jogador do mundo… Costumava treinar em casa quando ele ia treinar no clube, também para passarmos mais tempo juntos quando ele regressasse. Mas depois isso passou e agora adoro treinar com ele. Confesso que ele passou a ser a minha maior motivação e inspiração. O Cristiano treina de manhã e à tarde! É um atleta de elite. É incrível como ele se foca e se entrega à sua paixão pelo futebol. Sem dúvida que o Cristiano treina mais e melhor que eu. É que não há comparação… Ele é um atleta profissional. Mas tenho o melhor professor em casa e todos os dias aprendo algo novo com ele. Ou seja, no que diz respeito à forma física, o Cristiano ganha-me com uma goleada… É mesmo a expressão correta!

E qual é a sua relação com a comida?

Para mim, comer é um prazer. Não sou o tipo de pessoa que gosta de umas coisas e jamais come outras. Sigo uma alimentação variada e equilibrada, mas também tenho os meus caprichos.

Isso quer dizer que os guilty-pleasures fazem parte? Claro! O que seria da vida sem um doce…

85% da minha alimentação é saudável – sigo uma dieta mediterrânea – e 15% são prazeres, e se forem doces, melhor.

Em entrevista à revista Grazia, falou sobre a mudança do seu corpo na adolescência e de como isso chegou a afetar a sua autoestima. Hoje em dia, sente-se bem com o seu corpo?

Na minha infância e adolescência, tive complexos por ser magra. Eu era mesmo muito magra e tinha dificuldade em ganhar peso. Na puberdade, o meu corpo começou a desenvolver-se e a ganhar forma e curvas. Agora, o que me custa é perder peso. Mas no fundo, o que me aconteceu é algo muito comum e normal, é a passagem de menina para mulher.

Crédito: EG Studio
Nas redes sociais sente pressão de ter de partilhar sempre um lado positivo, seja físico ou emocional?

É claro que gosto de publicar fotografias em que me sinto bonita. Mas costumo publicar fotos de todos os tipos, desde a minha vida em família, aos treinos, moda, com maquilhagem, sem maquilhagem, em férias, em trabalho… Atualmente, existem muitos perfis no Instagram só com conteúdos de moda e viagens. Eu tento fugir a isso. Pretendo mostrar o que sou, pois acho que é essa veracidade que interessa. E também costumo usar o Instagram para projetos solidários. Colaboro com muitas associações. Nunca devemos esquecer os menos favorecidos. Tento dar o máximo de visibilidade e ajudá-los. Por exemplo, neste momento estou a leiloar na app Less_ uma camisola da Juventus assinada pelo Cristiano e algumas das minhas roupas. O dinheiro reverterá para os hospitais espanhóis que foram gravemente afetados pelo novo coronavírus.

Nas últimas semanas esteve em família na Madeira. Como foi a experiência?

Eu amo a Madeira, o clima é maravilhoso, a comida requintada e as pessoas muito calorosas. Portugal é um tesouro. Agora já voltámos para Itália para a nossa rotina de trabalho. E também estamos muito felizes por voltar a casa, já sentíamos falta.

Por fim, que mensagem quer deixar às leitoras da Women’s Health Portugal?

Quero dizer que cada mulher é diferente e que não nos devemos comparar umas às outras. Somos todas únicas e especiais. Devemos amar e aceitarmo-nos como somos, ter amor-próprio. Cada uma de nós tem de procurar sempre a melhor versão de si mesma. E uma mensagem especial para este momento de crise a nível de saúde. Por favor, seja responsável, mantenha a distância de segurança, siga todas as recomendações das autoridades de saúde. Juntas, vamos superar esta pandemia. Muito obrigado à revista e às leitoras por quererem conhecer-me mais um pouco. Força nestes tempos difíceis. Cuidem-se!

Brand Story