Menu
Inicio Running As questões íntimas que todas as corredoras (não) partilham

As questões íntimas que todas as corredoras (não) partilham

Trazemos as respostas às dúvidas sobre corrida que sempre quis esclarecer!

correr, corredora

As mulheres que correm têm sempre uma série de inquietações que dificilmente comentam, até entre elas próprias. Seja por timidez, pela sociedade em que vivemos ou por ‘falta de relevância’, muitas mulheres tiveram de resolver tais questões íntimas com base em erros, ou ainda nem resolveram.

Desse modo, a Women´s Health encarna aquela amiga que também corre, treina, transpira e menstrua, para responder às pequenas, e grandes, preocupações. Estivemos à conversa com Pedro Gonçalves, personal trainer e especialista de Running a lecionar aulas outdoor no Jardim da Estrela e ao domicílio na zona de Lisboa, Almada e Seixal, bem como online, que, entre estudos e pesquisas, tratou de algumas dúvidas sobre as quais os treinadores não têm por hábito comentar.

 

Correr não envelhece muito o rosto?

Sim e não. “Se nunca ouviu o termo ‘Runner’s Face’, ainda bem. A ideia de que as bochechas começam a descair devido aos pulos que realiza durante a corrida ou que envelhece rápido demais, é um mito. Embora seja verdade que devido ao emagrecimento (seja pela corrida ou por outro desporto), os nossos rostos tornar-se-ão mais assombrados ou com bochechas mais fundas, mas isso não será promovido pela corrida, de acordo com inúmeros dermatologistas. Em todos os sentidos, estar em forma é o melhor investimento antienvelhecimento. E a nossa pele agradece. Redução da acne e olheiras também podem melhorar com o exercício. Recomendo a utilização de protetor solar, pois a exposição solar excessiva pode levar ao envelhecimento precoce, através da decomposição do colagénio e elastina”.

 

Como a menstruação afeta o desempenho?

Ninguém duvida que é capaz de praticar desporto durante a menstruação. No entanto, deve adaptar um pouco o treino durante ‘aqueles dias’. “De acordo com Mona Shangold, Ginecologista com quase 50 anos de experiência, a menstruação poderá não afetar o desempenho na corrida. O que pode fazer a diferença são os sintomas. Cãibras, fadiga e inchaço poderão limitar a resistência e velocidade. A profissional reforça também que a maior irritabilidade que ocorre nesta fase poderá limitar o desejo de correr”.

 

As mulheres suam mais do que os homens?

À partida, nem mais nem menos. “O suor é um mecanismo de defesa do nosso organismo. Após o nosso corpo alcançar uma certa temperatura, é acionado esse mecanismo. Numa fase da nossa vida, não existe grande diferença entre ambos os sexos. Mas, há medida que existe uma evolução entre ambos, a forma como suamos é diferente. Um estudo realizado em 2010 pela revista Experimental Physiology conclui que os homens suam mais que as mulheres”. Contudo, estudos mais recentes vêm indicar que homens tendem a suar mais porque tendem a ser mais altos que as mulheres. Portanto, transpirar muito ou pouco é mais uma questão de tamanho que de sexo.

 

É normal ter pequenas perdas de urina durante a corrida?

Sim. É um problema muito feminino, porém pouco falado. “Um estudo bem interessante realizado pela Journal of Human Kinetics, verificou que mais de 40% das corredoras elite relataram perda de urina durante a corrida ou em outras atividades de alto impacto. Incontinência urinária ocorre tanto nos homens como nas mulheres, mas as mulheres experienciam duas vezes mais que os homens. É indicado que quase 50% das mulheres possuem algum grau de incontinência urinária. Existem várias causas bem como vários tipos de incontinência urinária. Seja avaliada por um especialista, para deduzir a sua situação”.

 

Correr é bom para os ossos?

Claro que sim. “A corrida faz parte do lote de exercícios que estimula os ossos, bem como os torna mais forte. Não partilho da opinião comum de que correr faz mal as articulações. Um dos principais motivos é a forma de correr, mas isso será outro ponto. Várias pesquisas não encontraram qualquer associação entre a corrida e a osteoartrite. Desde cedo que a forma como nos movemos e quanto nos movemos, terá clara influência no tamanho, resistência e forma dos nossos ossos. As forças que atuam sobre o nosso esqueleto irão torná-los mais fracos ou fortes. Quanto mais ativos, mais fortes são os nossos ossos. Claro que se nunca correu e inicia de forma desenfreada, é possível que possa ocorrer um género de problemas”. O mais importante a levar em conta é que a corrida é um ponto a favor, e não contra.

 

Correr não estraga o cabelo?

O sol e o suor não são propriamente um carinho para os fios de cabelos. “Quando corremos, o nosso cabelo é exposto à luz ultravioleta que terá um efeito de secagem e clareamento, de acordo com o Departamento do Hospital Dermatologia Mount Sinai em Nova Iorque. Um ponto importante que é mencionado é quando o cabelo é puxado para trás com força, coloca tensão nos folículos capilares enfraquecendo o cabelo. Por esse motivo, o ‘rabo-de-cavalo’ pode ser uma razão para o enfraquecimento. Sempre que o cabelo está mais fraco, será motivo para quebrar. A exposição excessiva ao sol e suor, também promovem essa situação”.

 

A corrida melhora a minha vida sexual?

Provavelmente sim. “Vários estudos concluem que a corrida promove um maior relaxamento na função cognitiva do córtex frontal. Esta situação irá fazer com que o corpo fique mais relaxado e se concentre mais em ter prazer do que ficar ansioso. Um estudo realizado pela Universidade do Texas indicou benefícios para as mulheres incluindo excitação sexual, humor e imagem corporal. O estudo refere que após a corrida, ocorre um maior pico de excitação entre 15 e 30 minutos”. Talvez o aumento do desejo sexual se deva, sobretudo, à melhoria da imagem e aumento dos níveis de energia e autoestima. Em qualquer caso, seja bem-vindo.

Brand Story