Menu
Inicio Treino 5 mitos do Pilates que tem de deixar de acreditar

5 mitos do Pilates que tem de deixar de acreditar

Não, o Pilates não é igual ao yoga.

pilates

Estamos quase a atingir o centenário desde que o icónico fundador de Pilates, Joseph Pilates, montou o seu primeiro estúdio em Nova Iorque. Desde então, a modalidade explodiu na cena do fitness e é adorado por todos.

Aclamado como uma forma de exercício na moda, com milhares de estúdios a surgir em todo o mundo, o Pilates é popular pelo seu estilo de exercício de baixo impacto.

Mas o Pilates não progrediu sem deixar um rasto de alguns mitos no seu caminho, e o programador de atletismo sénior da FS8, Georgie Hallett, está aqui para os deitar abaixo.

Mito #1

“O Pilates é apenas para mulheres”

A indústria de Pilates (e de fitness) pode parecer intimidante. O Pilates e o seu estilo único de movimento está frequentemente associado a uma energia muito feminina, mas as suas origens estão de facto profundamente enraizadas na masculinidade. Pouco se sabe, o Pilates foi de facto fundado por um homem, Joseph Pilates. Joseph abriu o seu primeiro estúdio em Nova Iorque em frente a uma escola de ballet, que foi onde obteve a sua influência de dança e passou para a cena da fisioterapia e reabilitação.

Georgie reconheceu uma mudança na indústria desde quando começou, quando fazer Pilates era tabu para os homens. Hoje, Georgie nota muito mais homens envolvidos em Pilates devido à sua natureza conscienciosa em torno da prevenção e reabilitação de lesões, e a oferta de exercícios ser adaptada a todos os corpos, independentemente da idade, sexo e capacidade física.

Mito #2

“Pilates é apenas para reabilitação”

Pode olhar para o Pilates e pensar que parece fácil, ou direcionado apenas para aqueles que estão a recuperar de alguma lesão. Isto deriva em grande parte do estigma associado ao facto de os exercícios de baixo impacto serem “suaves”, com pouco esforço. Não se deixe enganar, o Pilates não é para os de coração fraco.

Com pessoas como Tiger Woods, Lebron James, e o embaixador da FS8, Mick Fanning a fazer Pilates, esta forma de exercício é igualmente provável, se não mais suscetível de o fazer suar do que qualquer sessão de pesos. O Pilates é exigente, trabalhando cada parte do corpo (algumas partes que pode nem sequer saber que existiam) à sua maneira única, e as pessoas podem esperar ver mudanças significativas no seu corpo, tanto na aparência como na força, numa questão de meses.

Mito #3

“Não tenho tempo para fazer Pilates”

Muitas pessoas acreditam que o Pilates é apenas uma aula de alongamento extra para acrescentar à sua rotina de treino já existente, mas isto está longe de ser o propósito para o qual foi concebido. O Pilates não é um substituto ou um complemento. Pilates é o seu próprio estilo de treino onde se pode conseguir tudo o que se conseguiria normalmente se se fosse ao ginásio 3-4 vezes por semana.

O estilo de baixo impacto do Pilates permite-lhe obter os benefícios de um treino baseado na resistência sem ter de confiar em barras pesadas no ginásio. Todos os exercícios são completados de forma apoiada e orientada, o que retira o medo que as pessoas têm de fazer exercício.

Mito #4

“Eu não tenho um core forte, não posso fazer Pilates”

Segundo Georgie, o core é o grupo de músculos mais esquecido do corpo, ou melhor, um grupo de músculos que as pessoas não sabem utilizar. O Pilates é muito centrado no core, com os exercícios dirigidos ao seu tronco, também conhecido como a “casa do poder” do seu corpo.

Braços e pernas são puramente acessórios em Pilates e o tronco do corpo é o que nos prepara para o sucesso. Fazer abdominais no ginásio não é realmente trabalhar o seu core; é trabalhar os seus seis músculos.

“O Pilates dar-lhe-á os músculos centrais necessários para funcionar de forma ótima não apenas no exercício, mas em todos os aspetos da vida. Também funciona para prevenir lesões, dando-lhe uma forte base de estabilidade e equilíbrio”, disse Georgie.

Mito #5

“Pilates é o mesmo que yoga”

É fácil para as pessoas colocarem yoga e Pilates na mesma caixa – ambos são de baixo impacto, ambos são praticados num tapete e ambos têm um elemento que se centra na respiração. No entanto, os fundamentos do yoga e do Pilates são diferentes.

O yoga tem raízes religiosas e espirituais, que remontam às práticas hindus de há mais de quatro mil anos. Centra-se na ligação com o espírito, utilizando o movimento para explorar o fluxo e a energia universal, razão pela qual está frequentemente ligado à meditação. O Pilates, por outro lado, é puramente científico, sem absolutamente nenhuma associação à religião e à espiritualidade. A sua essência reside no relaxamento e fortalecimento dos músculos, e é especialmente benéfica para o tratamento e prevenção de lesões.

Brand Story