Menu
Inicio Treino 4 semanas, 4 desportos. A segunda semana do desafio

4 semanas, 4 desportos. A segunda semana do desafio

Eis a segunda semana do desafio que vai querer seguir.

4 semanas, 4 desportos

A jornalista Rita Machado treinou quatro semanas intensamente para construir o plano de treino que encontra nesta edição de verão 2018. Escolheu 4 desportos: CrossFit, muay thai/kickboxing, ginásio e corrida.

O objetivo era perder gordura recuperar a forma após uma lesão, e construir uma combinação de exercícios destas modalidades que as leitoras Women’s Health pudessem reproduzir em casa.

Eis o semanário (relato semana a semana) do desafio.

 

SEMANA 2

Desafio: c

Local: Escola Dinamite, Iron Fitness e em casa

 

Para a segunda semana do meu desafio, escolhi a modalidade de Muay Thai, que é o que podemos definir como Kickboxing tailandês. E escola da selecionadora nacional da modalidade, Dina Pedro, que fica em Alcântara.

Já treinei várias vezes estas modalidades aqui e se queremos secar não há treino como este, onde cardio e murros e kicks se conjugam em sessões de hora e meia a duas – todos os dias.

“Vamos treinar duas vezes segunda, depois terça manhã, quarta à tarde, quinta e sexta de manhã, e sábado envio-te o treino para fazeres em casa”. ‘Ok’, respondo ao desafio da Dina.

Eu sei que vou aguentar, mas decididamente vai ser desafiante acordar às 6 da manhã quatro dias nesta semana, penso. E mais do que isso, eu normalmente não como nada mal acordo, porque faço yoga todos os dias em jejum, o que significa que acordo cedo mas antes de passarem umas 3-4 horas não ingiro nada a não ser água com limão e um café com leite de amêndoa. Mas claro, esta semana isso não vai acontecer. Para aguentar o treino é preciso nutrir.

No primeiro dia, o treino de Kickboxing e Muay Thai começa com 30 minutos (cerca de 5 quilómetros) de corrida (para os atletas profissionais e para quem como eu quer perder peso).

Depois destes, temos uma aula de mais de uma hora, às vezes até hora e meia, na qual podemos alternar entre trabalho de saco, técnica, força (fazer golpes de mãos e pernas no saco com intensidade), aceleração (fazer os mesmos golpes mas de rápida e alternando com parceiro a cada 15 segundos) e até trabalho de peso.

É um desporto de combate, que usa muito cardio e movimentos como socos (direto, cross, upper, ao tronco) e pontapés (pontapés laterais circulares, joelhadas, front kick).

Ao longo da semana os treinos estão pensados para que sejam trabalhadas várias vertentes, e mesmo dentro de cada aula podem passar-se várias coisas ao mesmo tempo. Se entrasse na escola Dinamite, em Alcântara, o cenário que veria seria qualquer coisa assim: eu estou a escrever o artigo, tenho um treino específico, no qual faço uma parte com os atletas e outra com o João Roberto, o treinador adjunto da Dina.

Ao meu lado está à Sofia, uma amiga que começou esta semana as aulas e tem um treino de plastrons (as almofadas que os treinadores seguram e nas quais batemos) personalizado e adaptado ao seu conhecimento.

Do outro lado, estão vários atletas que têm combates no fim de semana seguinte e fazem rounds e rounds de técnica e treino específico. Mais lá ao fundo, está outra atleta profissional, que está lesionada na mão de um combate do fim de semana passado e tem um treino só para ela, com a outra treinadora adjunta Sandra Cirne.

Tudo se passa ao mesmo tempo, numa coordenação que parece mágica – e é de certa forma – mas na qual nem por isso estamos em estilo livre. Com os professores todos – aparentemente – ocupados, não são raras as vezes que ouço correções de técnica: “Roda o tronco Rita!”, “Mais força”, “Estica esse direto”, “Isso, boa” – algum incentivo também faz parte! – e percebo que não é por sermos quase 30 na aula que os treinadores não estão atentos a cada um individualmente.

Voltando ao meu treino, o que foi feito especificamente para perder gordura e peso: a corrida diária, saltar à corda, aquecimento específico, alguma sombra com peso (a sombra é quando estamos a reproduzir os movimentos de combate no vazio, para um parceiro imaginário), e recebi ainda alguns treinos complementares para fazer em casa.

O segundo dia de treino foi no mínimo original, dado que era feriado só existia o treino das 7 da manhã. Ora eu tinha tido um jantar na noite antes e pedi à Dina se não podia treinar em casa.

Mas as instruções foram antes: vais a Forte da Casa, ao Iron Fitness fazer o treino das 19h. A cerca de 18 km do centro de Lisboa, onde vivo, este espaço é uma surpresa. Enorme, está dividido em três: um ginásio bem apetrechado, toda uma zona de Cross Training e uma área de desportos de combate, com 2 ringues de boxe/muay thai, uma jaula de MMA e uma sala com sacos pendurados, que rolam por umas calhas de metal e se colocam onde (e se) necessário.

A vista para o rio Tejo é espetacular e sinto-me uma verdadeira sortuda por experimentar tantos espaços diferentes para fazer este trabalho. A minha Ronda Roussey interior está definitivamente em casa neste espaço…

A semana corre sem grandes percalços e sinto o meu corpo a derreter – literalmente. O calor está a aumentar e tenho de me hidratar muito bem nas aulas. No sábado é dia de treinar em casa, mas vou à The Bakery Crossfit e recebo da Dina um treino que é um verdadeiro queimador de gordura: saltos, agachamentos, flexões, abdominais, acelerações de corrida, tudo combinado em séries e com salto à corda antes e abdominais a seguir. Ufa, semana cumprida.

 

O que aprendi esta semana de Muay Thai

  • “Quando não há força há força de vontade.” A frase que define a equipa Dinamite fez sentido esta segunda semana de treinos, na qual o cansaço só não levou a melhor porque pensei nesta frase da Dina.
  • Consistência, na alimentação e no treino, trazem resultados visíveis. Comi o plano alimentar em 85% e treinei tudo o que me mandaram e apesar de ter perdido apenas 1kg, estou muito mais seca, algo que se comprova nas medições corporais semanais.
  • O peso pode ser enganador, basta não bebermos água o dia inteiro ou não jantarmos, e no dia a seguir temos menos uns kg. Mas isso não é saudável e se serve para ‘dar peso’ num combate não é bom no dia a dia.

A treinadora: Dina Pedro [www.instagram.com/dina.pedro.98/]

Aos 42 anos, é desde janeiro a selecionadora nacional. Campeã nacional, ibérica, da Europa, do Mundo e transcontinental, enquanto atleta nos anos 90 e 2000, hoje é treinadora de referência no Muay Thai e no Kickboxing, em Portugal e no estrangeiro.

A sua equipa Dinamite tem trazido vários prémios europeus e mundiais para o nosso país. Recebeu o Prémio de Melhor Treinador de 2017 e o Prémio de Mérito Desportivo 2017 pela Federação Portuguesa de Kickboxing e Muay Thai e o prémio Personalidade do ano pela Confederação do Desporto em Portugal.

Brand Story